sábado, 21 de abril de 2007

Estrada Perdida!

O

É meu dever informar que as próximas linhas poderão impressionar os leitores mais sensíveis, pelo que se é supersticioso, crente ou facilmente impressionável por uma história banal que no fundo nada tem de assustador
POR FAVOR NÃO LEIA ESTE TEXTO!
Se não acredita, repare na bola vermelha que se encontra no canto superior esquerdo da página…acha que de outra forma a colocaria num texto?

O Aviso fica feito…

Estávamos em plena época natalícia, precisamente na véspera da véspera de Natal e eu e uma das minhas amigas Psicólogas, (a que faz anos amanhã, a mais Psicóloga de todas) encontrávamos numa superfície comercial a fim de ultimar a compra de presentes. Entre a indecisão de optar a que loja ir, concordamos pela passagem pela Fnac, decisão essa que se revelou totalmente errada e que ainda hoje estamos a pagar, ao acordar com suores frios a meio da noite a ver aquela cara hedionda e aquele corpo disforme a chamar-nos para o Abismo…

Na Fnac, entre os grandes mestres da Literatura Contemporânea, como Margarida Rebelo Pinto e a sua, então, master piece “Não há Coincidências”, decidimos avançar para uma secção mais esotérica. Eis que vemos o famoso livro de São Cipriano. Selado! Não entendemos o motivo, porque, contrariamente aos demais livros era o único que se encontrava selado.

Todos nós já ouvimos as histórias de pessoas que leram tal livro e foram vítimas de algo que não se consegue explicar como o aparecimento de Chagas ou do Número da Besta escrito em carne viva na testa e até mesmo Varicela. Há ainda a história de crianças órfãs que desapareciam e que eram encontradas meses depois com um andar diferente…Desculpem! Estou a fazer confusão com o Caso Casa Pia.

Porém, durante a nossa conversa, eu e a minha amiga Psicóloga somos interrompidos por uma voz metálica, vinda não se sabe de onde, que nos perguntou:” Vão levar esse livro?” Não conseguem imaginar o pavor, o terror que se apoderou de nós…Ao lado uma grávida entrou em trabalho de parto.

Era um Homem preto, baixinho e com uma corcunda, totalmente vestido de cabedal…quer dizer napa e que nos disse que tais histórias não passavam de mitos urbanos. Anuímos e não conseguimos proferir qualquer palavra. Estávamos petrificados. A grávida tinha dois dedos de dilatação.

De repente e enquanto o Diabo esfrega o olho, o homem desaparece,

No caminho de casa, perdemo-nos no intenso nevoeiro. De súbito, somos surpreendidos em plena Ponte Vasco da Gama, pelo Homem…

Trabalhava na Lusoponte e ia pegar ao Serviço.


PS – Fomos mais tarde informados que a grávida teve gémeos e que nasceram com 3,600 Kg.






2 comentários:

Anónimo disse...

Acho que sei quem é o homem preto vestido de napa...É um primo nosso...o primo Djongo,que morava na Buraca di Fumaça e era dado aos vudus!Cuidado,acho que ele ainda anda à tua procura...L.Estrela:)

Sergei disse...

L-I-N-D-O!!!

Começo a perceber o porquê de certo dia na casa dela ter sucedido o fenómeno do PC dela não conseguir desligar, enquanto num ecrã negro se ouvia a musica de fundo "me deeeeixaaaaaaaa...."... Pus-me logo a andar dali, não fosse sair do ecrã o Nuno Gomes com o cabelo a pingar...

Abração, S do P do ock