terça-feira, 24 de abril de 2007

Alquimistas

Como eu e os meus amigos somos bastantes responsáveis, quando saímos à noite é bastante frequente recorrermos aos Táxis para nos deslocarmos. Na maioria das vezes o motivo prende-se não só apenas pelo nosso estado vinolento, mas também pela quantidade de situações inverosímeis que se podem passar dentro de um Táxi. Recordo a vez, que a caminho de Albufeira insistia em facultar à operadora do Serviço de Rádio Táxis, o contacto de um serviço semelhante, escapando-me, porém, o ligeiro pormenor que do meu telemóvel ela não seria capaz de me ouvir.

Contudo o número estava correcto.

Todavia, os Taxistas podem também ser fontes de sabedoria e férteis em conselhos sempre úteis, como saber escolher uma prostituta ou elucidar-nos sobre a relação qualidade preço das profissionais do sexo. Exemplo disso foi no trajecto Graça/Bairro Alto, em que fizemos o Duarte passar por Missionário desterrado em Moçambique que tinha acabado de abdicar de 10 anos de celibato e que caminhava agora para uma vida de pecado. Todos nós estranhamos o facto da quantidade de informação disponibilizada pelo taxista que ponderámos a hipótese de ter feito também formação na área do proxenetismo e quem sabe se não teria uma ou duas colaboradoras no activo.

Não obstante, o Duarte pediu para sair na zona do Intendente…Disse que estava enjoado e precisava de ar fresco…

Mas penso que acima de tudo, os taxistas são pessoas sensíveis, capazes de nos ajudar a concretizar os nossos sonhos mais profundos. O testemunho é o meu. Aconteceu numa ocasião em que jantámos no Bairro Alto e que devido ao número de pessoas, o regresso a casa foi feito em dois táxis. Em virtude de eu e mais alguns amigos termos ficado do táxi de trás, surgiu a possibilidade de realizar um sonho antigo.

Entrámos no táxi e no tom mais hollywoodesco possível digo:

“Rápido! Siga aquele táxi!”

E assim realizei o meu sonho… (quando lerem esta frase agradecia que me imaginassem com a mão no queixo, a olhar para o vazio e a ouvir uma balada dos Bon Jovi com um ligeiro sorriso nos lábios. Obrigado)

Ainda lhes chamam fogareiros…eu chamo-lhes Alquimistas.

2 comentários:

Duarte disse...

Ainda me lembro da última mensagem do taxista aos restantes passageiros enquanto saiamos do carro: "E tomem conta do vosso amigo..."

Sergei disse...

:) Tamos todos kinados, hehe...Mas o que sei é que aprendi muito com aquele sábio Sr. :P


Abração, S do P do ock