sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Christmas Feeling vs. Appearances

Estava ontem de sala no final do dia, e às tantas dei por mim a ver o Extreme Makeover. Sei que podem dizer “ah e tal, programinha giro e não sei que mais”, mas pronto, confesso que estava a ver, mais que não seja porque às vezes se fazem lá autênticas obras de engenharia, ou arquitectura, como quiserem.

Acontece que às tantas apareceu uma mulher versão estrela de cinema e depois daqueles beijinhos todos aparece a imagem anterior… digamos que era um duende do bosque como sendo a versão original. : Franzi a sombrancelha. Lembrei-me de mim em puto numa foto do corta-mato com alto cabelo desgrenhado, vestido com um fato de treino da Adidas com as belas listinhas, chupadinho e sem um dente da frente, a abrir alto sorriso. Got the picture? Lindo. Versão arrumador do Casal Ventoso @ it's best. ;)


Programas como este fazem-me pensar que estamos realmente a evoluir, e como tal a chegar a um ponto em que o conhecimento poderá criar complicações à sociedade. Estar-se-á tudo a esquecer dos filhos?

Imaginem ir pra Nova Yorque e conhecem alta(o) model, tudo no sitio, cabelo L'Oreál, dentes fluorescentes, a vida toma o seu rumo, dá as suas voltas, get together, e um dia nasce o rebento maravilha e o cerne da questão: "atão mas a minha filhota... hmmm... mas ela tem alta penca inclinada de papagaio e uma perna mais curta, não percebo." "Ôhhh... amor fâuôfo é que eu nunca te dizer mas antêsss de te conhecer, you know, eu tinha ido ao Extreme Makeover arranjar umas coisinhas...". Vão atrás do exterior e depois na terminação… sai-vos o eurofeiões.

Acho que esta é daquelas alturas do ano em que se calhar se dá menos importância ao exterior pelos valores que se celebram. No Natal, a malta conta é com o sentimento, nem que seja para aceitar com um sorriso prendas "giras". É mesmo o que vai cá dentro que conta, em que se apela para a alma e não imagem. E depois põem-se a dar o Extreme Makeover na TV... não se faz. Andar atrás da ideia da(o) giraça(o) da revista, encontrar um Ken ou Barbie e lá se ir um dinheirão em dentista no planeamento familiar...

Deixo-vos um conselho. Escolham uma(o) feiosa(o). Pode ser que seja um borrachão que tenha batido de carro há uns meses.

Tenho corrimento vaginal e falo disso à vontade!

As salas de espera das urgências hospitalares podem ser locais onde podemos sempre socializar. As delongas podem-se prolongar e nada melhor trocarmos dois dedos de conversa com um perfeito estranho.

Habitualmente, as conversas cingem-se às maleitas que nos assolam. É comum ouvirmos nas salas de esperas conversas, sobre quispos nos ovários, úrsulas nervosas e endocuspias feitas há pouco tempo. Mas ontem a situação foi diferente. Estava com a minha Bicha no Hospital da Cuf para uma consulta normal de ginecologia. Tendo em conta a área da Medicina em questão, presumia eu, novato nestas matérias, que as senhoras que povoam estes espaços, por uma questão de pudor, se coibiam de falar sobre o motivo que as leva ao médico.

Errado!

Ontem na sala de espera fui surpreendido. Para além da minha Bicha, havia mais uma senhora na sala de espera. Falávamos de um fait-divers qualquer e somos interrompidos por esta senhora que resolveu participar na conversa. Entre as trivialidades discutidas, somos surpreendidos por uma exposição pormenorizada dos problemas que aquela pobre senhora já tinha sido vítima.

Foram utilizadas expressões como: “tinha a vagina inchada”, “estive no consultório toda despida de perna aberta e o médico foi-se embora” e “tinha um corrimento…assim acastanhado”…

Perdeu-se toda a noção do decoro.

Estava eu pronto para dar a conhecer a uma ilustre desconhecida aquilo que não sei sobre Lógica Binária, que me tinha sido explicada minutos antes por um Engenheiro paciente, no sentido de quebrar o gelo e fazer conversa de sala de espera e eis que sou surpreendido com informações sobre a cor e textura do corrimento vaginal.

Tabus…O que é isso?

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Laizzies and Zenzleman...

Está aí alguém?

Pois... parece que sim, pelos comments que tenho vindo a acompanhar no Coisas Simples já deu para perceber que a audiência é vasta, quer seja pelo que se vê publicado sob efeito ricochete de um post, quer seja pelas conversas cruzadas que se ouvem de quem não publica mas lê e comenta em conversas aparte. Até aqui tudo bem.

Topophobia. Já ouviram falar? Não, não é um fenómeno associado ao receio do Topo-Gigio, é simplesmente o vulgarmente designado stage-fright, ou medo do palco. E é disso que eu falo, porque é isso que se manifesta nesta altura…

O que é maravilhoso de ler e absorver, ou mesmo comentar fortuitamente, muda de figura quando a situação passa a ser encarada doutra forma. O passar a fazer parte, mesmo que de forma mais contida…aí é que a porca torce o rabo. É que quem me conhece bem, apesar de parecer solto, sempre à vontade, sabe que sou tímido com quem não conheço, daí preferir sempre algo mais na onda do anonimato.

Devo confessar que ainda no Ciclo, quando estava no clube da natureza (acho que era esse o nome) participei feito pinguim com colegas numa apresentação dos jograis, em que falámos à escola do tema “sexo”. Julguei que depois daquilo nunca mais teria medo do palco, mas enganei-me redondamente. Nunca mais me esquecerei da abertura, com aquela malta toda a olhar pra nós, e sair a frase “O espermatozóide…”. Bonito. Mas traumatizante para toda a vida.

Tento sempre com quem não conheço evitar chamar as atenções. Lembram-se do Manuel Subtil que se fechou na RTP a exigir dinheiro porque supostamente a estação originou a falência da sua empresa? Pronto, ficam a saber que foi tudo encenado, era eu com barba postiça a tentar obrigá-los a tirarem do ar a série “Um estranho em casa”, só isso. Eu – subtil – tímido, pronto, tão a ver a relação, não é? O que é certo é que consegui acabar com a série. Não foi naquele dia, mas bastou mandar um sms com um texto sucinto dias depois ao Director de programas quando ele estava no WC: “estás sentado em cima de C-4, se o Estranho não sai do ar vais tu ao ar”. Resolvido.

Bem, mas a causa é nobre e por isso tou cá para o desafio. Deixem lá ver se não desiludo na contratação feita plo “Mistééér”, e não tremo nesta viagem do Coisas. Mas mesmo que trema, tenho sempre aquele gel refirmante de recurso. ;)


3-2-1... Acção

Pai Natal

Algumas questões relacionadas com o Pai Natal:

Qual é o salário do Pai Natal?

Tendo em conta que trabalha um dia por ano, terá direito a subsídio de Natal?

Desconta para a Segurança Social?

Se eu fosse trabalhar com uma barba daquele tamanho, muito provavelmente o meu Chefe, mandava-me para casa e não lido directamente com o público. Como a apresentação de uma pessoa é de extrema importância no contacto com o público, o chefe do Pai Natal não acha que com uma pele macia, sem qualquer pilosidade, os resultados seriam melhores?

Quem é o chefe do Pai Natal ou trabalha por conta própria?

Se o Pai Natal tem um chefe, não estará o chefe dele a explorar o pobre velho?

O Pai Natal é sindicalizado?

Se trabalha por conta própria, provavelmente passa recibos verdes. Na abertura de actividade nas Finanças, o que é que ele pôs? Distribuição de oferendas?

Qual é o Número de Contribuinte do Pai Natal?

Se o Pai Natal ligar para o trabalho e disser: "Eh pá, passei mal a noite...Não sei se vou trabalhar..." Quem é que o substitui?

O acondicionamento das prendas é certificado pela ASAE? Aquele saco parece-me um pouco usado….

O Pai Natal tem Livro de Reclamações?

Na Finlândia, as renas da floresta selvagem, são animais rigorosamente protegidos, estará o Pai Natal a violar algum Protocolo?

Quanto tempo fazem as Renas dos 0 aos 100 km?

A carroça tem ar condicionado?

Se lhe der vontade de ir ao WC durante a entrega de um presente, pode dizer: "Desculpe, estou cheio de cólicas, posso usar a sua casa-de-banho?"

A que horas termina o seu turno?

Estas são as minhas interrogações.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Contratações

Como acontece nos clubes de futebol, o mês de Dezembro é o mês da reabertura do mercado, em que se pode comprar novos e de preferência BONS, jogadores. Assim, também “eu fui às compras” e “adquiri um reforço de peso”, para este espaço…

Algum de vocês já o conhecem, outros passarão a conhece-lo, entenda-se: a lê-lo.

Trata de uma pessoa que tem a dose de parvoíce e eloquência necessárias para fazer parte deste projecto, chamemos-lhe assim, que é o Coisas Simples.

Tem uma capacidade de “viajar” invulgar, desta forma, a leitura dos seus textos, nalguns casos, pode precisar de algum elemento que possa alterar ligeiramente o vosso estado de espírito...Mas só coisas legais.

Spock: Bem-vindo a Bordo.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Todo o Terreno

Com atraso de 7 anos da data inicialmente prevista para a conclusão da obra, eis que amanhã é inaugurada mais uma Obra com as características indispensáveis para participar no rally Lisboa – Dakar.

Falo do Metro de Santa Apolónia.

É nova, moderna, robusta e derrapa que é uma maravilha…Tem capacidade para derrapar em cerca de 134 milhões de Euros…

Outras obras com características de todo-o-terreno: Casa da Música, capacidade de derrapagem: 100 Milhões; Expo 98, capacidade de derrapagem 120 Mlhões de contos; CCB, Capacidade de derrapagem: estima-se que terá custado 40 milhões de contos, quando o orçamento inicial rondava 7 milhões.

Gostava de saber quem é que respira o pó dessas derrapagens, quem fica com a poeira nos bolsos…A sério que gostava de saber…

Deixando de ser um pouco velho do Restelo e dando a mão à palmatória, até porque tenho 30 anos e moro na Graça, as obras mencionadas são extraordinárias e no caso da que é inaugurada amanhã é de reconhecida utilidade.

Mais vale tarde que nunca e já agora sugiro uma recauchutagem nas próximas…

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Catarina

Esta mensagem é especialmente para ti:

Dia 10 de Julho de 2008, vamos poder reviver o momento da tua queda no Santiago Alquimista.

Vêm cá os Rage Against the Machine!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Tchuiimm!

A história que se segue, ainda hoje tem repercussões na forma como eu levo a minha vida social, pois continuo a ser alvo de piadas sarcásticas por parte dos meus amigos que conhecem o episódio. Não obstante, quero que quem leia estas linhas possa também fazer as mesmas piadas sarcásticas. Contudo, faço um pequeno reparo antes de iniciar a narração: se a nossa sociedade encarasse a libertação de gases do nosso corpo da mesma forma como encara os soluços, o sucedido não passaria de isso mesmo: um soluço banal…mas não…foi uma quantidade insignificante de metano que saiu inadvertidamente do meu corpo, cruz que terei carregar até ao fim dos meus dias.

Pois bem, aconteceu na altura da minha puberdade, na fase da mudança de voz, em que a sonoridade das palavras que saíam da minha boca alternavam entre a voz do Barry White e a voz do guarda-redes da selecção nacional, o Ricardo. Estávamos na casa do meu amigo Agente da Autoridade e assistíamos concentradíssimos, à 17ª exibição do filme Força Destruidora, com o magnifico Jean Claude Van Dame. Na sala, estava também a D. Bárbara, a mãe do Agente da Autoridade, senhora de elevado sentido de humor, que marcou a minha infância.

Devido à ingestão de tortas da Dan Cake e sumos Tang, a meio do filme, o meu corpo começa a produzir uns sons que até então desconhecia. Começo a ficar preocupado, pois não sabia até que ponto é que conseguiria controlar tais ruídos. O pessoal começa a olhar-me de lado, mas eu nunca tirei os olhos da televisão, como se os barulhos estivessem a ser feitos por outra pessoa.

Nisto, sinto uma corrente de ar que me desce pela tripa abaixo e pensei: “Pronto, é o meu fim! Não consigo encurralar este! Vai sair e está aqui a mãe dele. Que vergonha!” Mas num esforço físico intenso, aperto os glúteos com toda a minha força, contraindo-me contra o sofá, numa tentativa de vencer a aragem pelo sufoco. Por esta altura, transpirava e não parava de me mexer, fingindo que o filme me causava inquietação. Como já tínhamos visto por diversas vezes o filme, o pessoal não percebia o motivo do desassossego.

A luta contra o meu intestino continuava, os glúteos começam a mostrar cansaço. Era uma luta desigual e os coitados não tiveram forças para impedir que o gás fosse libertado…

Julgando que ninguém iria ouvir, deixo escapar um (quase) inaudível “Tchuiimm”. Passam-se alguns nanosegundos e penso: “Ufa…ninguém ouviu..!” É então que se insurge a mãe do Agente da Autoridade que diz num jeito muito característico: “Já quem fez tchuiimm?”

A resposta estava na minha transpiração e sorriso amarelo. Mandaram-me para a varanda arejar e controlar as incursões das aragens do meu intestino. Se o acto de corar fosse notório na minha tez, estaria mais vermelho que um tomate.

Ainda hoje, quando oiço este episódio fico vermelho.

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Flight Diverted

Tendo em conta o tempo que esperei para embarcar para Barcelona, cerca de 10 horas (!), e independentemente de ser uma cidade maravilhosa, cheia de vida, cosmopolita, dinâmica, moderna, com história, com edifícios absolutamente fantásticos: como a Sagrada Família, a Casa Batlló e a Casa Milà, resolvi não escrever nada sobre a cidade de Gaudí ou sobre as minhas pequenas férias e em vez disso escrever três parágrafos sobre a freguesia da Bemposta, que não tem, nem por sombras, a notoriedade e a importância que é dada a Barcelona.

A Bemposta é uma freguesia portuguesa do concelho de Abrantes, com 187,73 km de área e 2 252 habitantes (2001). Densidade: 12,0 hab/km.

A freguesia da Bemposta ocupa o sudoeste do concelho e tem como vizinhos os concelhos de Ponte de Sor a sueste, Chamusca a sudoeste e Constância a noroeste e as freguesias de São Miguel do Rio Torto a norte e São Facundo e Vale de Mós a nordeste.

É a maior freguesia do concelho, com grande vantagem, mas apenas a 6ª mais populosa, o que faz da Bemposta a última (19ª) freguesia de Abrantes em densidade demográfica.

Que ricas férias…

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

domingo, 2 de dezembro de 2007

Soma e Segway


A Baixa de Lisboa, nesta altura do ano, torna-se ainda mais encantadora. As ruas estão iluminadas, as lojas abertas todos os dias, as pessoas tornam-se mais afáveis e simpáticas. Muitos podem pensar que o que as deixa nesse estado de temporário contentamento e jubilo é a quadra festiva que se aproxima. Todavia, a verdadeira razão para essa condição é o Subsidio de Natal.

A Câmara Municipal de Lisboa teve o cuidado de tornar o passeio pela Baixa Pombalina ainda mais agradável. As passadeiras foram pintadas de fresco e as ruas estão mais seguras, com a disponibilização de mais agentes da autoridade. Quem julga que a Policia Municipal necessita de se modernizar, ainda não viu de que forma se fazem transportar os agentes da autoridade. O nome é Segway. Veículos que, segundo o comandante da Polícia Municipal, André Gomes, "dão uma mobilidade muito maior aos agentes" e permitem "observar melhor à distância os delinquentes".

Estas afirmações são em parte verdadeiras, pois quem já viu estes aparelhos tem a perfeita noção que mobilidade é coisa que aquilo não dá. Dá estilo, mas não dá mobilidade. Por outro lado, permite, efectivamente, observar melhor à distância os delinquentes. Principalmente se estivermos a falar de um delinquente que se farte de correr, como a maioria daqueles putos de Alfama. Aí, o Segway, permite observar melhor a distância dos delinquentes.

Tendo em consideração que o buraco orçamental da Câmara de Lisboa é maior do que o da Camada do Ozono, a ideia seria serem um tudo ou nada mais poupadinhos e, ao invés de gastarem 75.000 € na aquisição dos brinquedos, podiam comprar uns bons pares de ténis Sanjo que, esses sim, dão uma maior mobilidade aos agentes. E de certeza que com os ténis, as altercações para ver quem fica com o veículo no início de cada turno seriam eliminadas, porque haveria um par de ténis para cada agente.

Salve-se o facto de não serem poluentes.

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Felgueiras Tours


5 Razões para escolher a Agência de Viagens Felgueiras Tours

1º - Oferecemos Dupla Nacionalidade e a possibilidade de se tornar inimputável na eventualidade de cometer algum crime de peculato ou abuso de poder.

2º - Disponibilizaremos planos de contingência, com fugas em menos de 24horas.

3º - Custeamos todas as despesas que possa ter que suportar. Todas! Advogados, viagens, estadias e caipirinhas à beira-mar, servidas por brasileiras (os) bronzeadas (os).

4º - Proporcionaremos, no regresso ao seu país de origem, uma recepção calorosa e garantimos a sua eleição para um cargo autárquico influente, com maioria absoluta.

5º - Como brinde, oferecemos um belíssimo Saco Azul, bastante versátil, que poderá utilizar nas mais diversas ocasiões.

Felgueiras Tours…Sempre Perto de Si.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Banda Desenhada


“As Seguradoras conseguiram, em 2006, os lucros mais altos de sempre – fecharam o ano com proveitos de 708 milhões de euros, um aumento de 55% face a 2005. " in jornal Diário Económico

708 Milhões de Euros!

Estabelecendo um paralelismo, vejo as Seguradoras como o Tio Patinhas e os habitantes das casas destruídas pela explosão em Setúbal, como os vários Patos Donald. É impressionante como as Seguradoras alegam cláusulas de excepção nos contratos de maneira a adiarem ou não pagarem as indemnizações. Os Patos Donalds, com ordenados que permitem suportar (à justa) as dívidas crescentes e o Tio Patinhas, sempre a tentar preservar a (s) sua (s) moeda (s) Número 1.

Porque é que o Tio Patinhas, não abre os cordões à bolsa?...Se, porventura, tivéssemos tido a sorte de ser como o Primo Gastão, essa questão não se colocaria. Mas, lamentavelmente, a maioria de nós somos Patos Donalds…

Teremos que nos tornar Metralhas para resolvermos as nossas vicissitudes?

Sexy Max

Na sequência do último texto e mantendo o tema de conversa no sexo, apresento as fotos das cortinas e tapetes para a casa de banho comercializadas…no MaxMat(!!) .


Os momentos fotográficos foram capturados pelos Pais do Miudo Ruivo, que tiveram a amabilidade de me enviar.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Faça-o Você Mesmo!



Tomando em consideração o crescente e lamentável número de vítimas do vírus HIV e das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), é tempo de se analisar os meios de contracepção e as campanhas de prevenção que têm sido desenvolvidas nos últimos tempos.

É certo e sabido que o Sexo continua a ser encarado como tabu e a forma mais correcta e pedagógica de se abordar a questão é fazendo-o sem subterfúgios. A Educação Sexual é essencial e desconstruir os mitos sobre a Masturbação torna-se cada vez mais premente. Os mitos de que a masturbação faz com que cresçam pedras nos mamilos, pêlos nas mãos ou que vicia tendem a desaparecer.
Já imaginaram alguém entrar numa sala de Masturbadores Anónimos e dizer: ”Olá sou o Jeremias, tenho trinta e dois anos e sou viciado em Masturbação. Toco-me no banho logo pela manhã…Tomo o pequeno-almoço, vou à bica e volto a tocar-me. Aí por volta do meio-dia, para a abrir o apetite, volto a agarrar-me a ele. E o dia passa-se e há vezes em que me toco cerca de 27 vezes. Sinto que o meu pénis é uma prolongação da minha mão. Estou aqui porque preciso de ajuda.”

Pois bem, no Botswana e de forma a alertar e prevenir o flagelo das DST, uma organização incentivou a prática da Masturbação. Com o slogan “There is Fun without Sex”, o cartaz exibe um jovem, com as mãos no interior dos seus calções e a pensar nos momentos ardentes e sensuais com a sua companheira. Todavia, saltam à vista algumas incongruências.

Aviso: os parágrafos que seguem contêm linguagem que pode ser considerada obscena!

Analisando o cartaz que dá corpo à arrojada, porém criativa, campanha, detecto alguns erros:

1 - A expressão do jovem não mostra qualquer tipo de divertimento ou entusiasmo, mostrando uma total apatia que o acto de espancar o macaco não merece.

2 - A televisão está desligada e ele não está a ver nenhum filme ou DVD pornográfico o que significa que está a descabelar o palhaço com recurso à memória, o que só prova que o método utilizado é arcaico e está descontinuado.

Por último: pela arrumação e decoração da casa é evidente que ele mora com os pais e só um tipo muito corajoso é que tocava uma sarapitola na sala, correndo o risco de ser apanhado.

Não obstante, a campanha está bem esgalhada...
PS - o registo fotográfico é original e foi gentilmente cedido por um
turista que trabalha no Turismo e que a tirou enquanto fazia turismo. Obrigado.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Desafio II - Página 161

Este veio de Pelicano:

1.Pegue no livro mais próximo, com mais de 161 páginas – implica aleatoriedade, não tente escolher o livro;
2. abra o livro na página 161;
3. na referida página procurar a 5ª frase completa;
4. transcreva na íntegra para o seu blogue a frase encontrada;
5. aumentar, de forma exponencial, a improdutividade, fazendo passar o desafio a mais 5 bloggers à escolha.

Sempre que ele começava a falar nos princípios do SOCING, do duplopensar, da mutabilidade do passado, da negação da realidade objectiva e se punha a usar palavras da novilíngua, ela mostrava-se maçada e confusa dizendo não ligar a essas coisas.

1984, George Orwell.

Desafio a Luazinha e toda a gente a contar o fim do filme/livro que mais gostaram.

Desafio I - Carta ao Pai Natal

Fui desafiado pela Luazinha a escrever uma carta ao Pai Natal, na qual enumero sete desejos. Pois bem, aqui fica a missiva.

“Caro Pai Natal, como todos os anos a generalidade dos humanos cria listas e enviam-te cartas com pedidos e desejos, tenho uma ideia melhor. Quero que tires…Sim! Em vez de dares, tiras!

  1. Quero que tires Poder aos políticos corruptos e manhosos, que enriquecem às custas do Povo.
  2. Quero que tires a palavra Fome, do vocabulário de milhões de crianças por esse Mundo fora.
  3. Quero que tires a falta de civismo aos condutores portugueses.
  4. Quero que tires o barbeiro ao Paulo Bento.
  5. Quero que Tires produza bom vinho como fazem em Pinheiro da Cruz.
  6. Quero que tires o título ao Futebol Clube do Porto.
  7. Quero que me tires as insónias…”

Pelicano, cartinha ao Pai Natal. O convite estende-se a quem quiser atulhar o velho com merdas.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Pica


O Infarmed suspendeu uma promoção que estava a ser levada a cabo por um Stand de Automóveis, que consistia na oferta de uma vacina contra o cancro do colo do útero, na compra de um carro. O proprietário disse que a intenção era de carácter cívico e que desconhecia que estava a cometer uma ilegalidade. Porém, o medicamento está sujeito a receita médica.

É de louvar a iniciativa deste senhor. Mas já pensaram se a ideia pegasse? Deixaríamos de ter aquele boletim de vacinas e passaríamos a ter cartões dos mais variados estabelecimentos comerciais:

Cartão da Padaria – “Na compra de seis bolinhas e um pão de Mafra oferecemos a Vacina contra a Gripe.”

Cartão da Peixaria – “Na compra de uma dourada e três robalos oferecemos a Vacina contra o Tétano.”

Cartão da Drogaria – “Na compra de sete parafusos e sete buchas oferecemos a Vacina contra o Sarampo.”

Cartão da Papelaria – “Com a assinatura da Revista Maria, recebe a Vacina contra a Varicela.”

Cartão do Talho – “Na compra de uma Pá de Porco e 1.5 kg de entremeada (bem fininha) oferecemos a Vacina contra a Hepatite. E a letra é a sua escolha: A, B ou C!

A Margem Certa

Com o apuramento de Portugal para o Europeu de Futebol do próximo ano, é tempo de falar de Futebol.

Houve um Ministro que lhe chamou Deserto. Mas de certeza que não viu o jogo Portugal-Inglaterra no Mundial de 1986. A Margem Sul é provavelmente um dos maiores viveiros, no que respeita a grandes estrelas de futebol. Ou pelo menos era…

Nesse inesquecível jogo, a jogada que deu origem ao golo teve quatro intervenientes: três deles da Margem Sul e (espante-se!) dois deles da Moita. A bola passou pelo guarda-redes Bento, do Barreiro, Álvaro Magalhães, natural de Cambres, Diamantino, natural da Moita e Carlos Manuel, o autor do golo, também ele natural da Moita.

Esta situação coloca a Moita na rota dos grandes nomes do Futebol Mundial: Maradona: Villa Fiorito; Pele: Três Corações; Johan Cruijff: Amesterdão: Diamantino e Carlos Manuel: Moita.

Por norma, cada localidade, em cada duas gerações, tem uma estrela de Futebol, mas a Moita na mesma geração teve dois astros do futebol.

Se o Mister Scolari tivesse feito uma prospecção pela panóplia de jogadores que abundam na Margem Sul do Tejo e se tivesse disponibilidade para passar no parque da Moita para ver um jogo de futebol da malta, talvez não teria tantos problemas na qualificação.

Fica o vídeo do resumo do jogo de Portugal no Mundial de 1986 (o golo acontece perto dos 80 min), contra a poderosa Inglaterra. Reza a historia que nesse dia o Padre Fernando andava de bandeira aos ombros, abraçado a dois bêbedos.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Fugas

Depois de três traçados de Ginja com Bagaço, contemplando o chão pegajoso da taberna onde se encontrava, Anacleto decide: “Apetece-me ir para Novosibirsk! É isso mesmo! Vou para Novosibirsk!” Dirige-se então para a estação de comboios e pede um bilhete para Novosibirsk. O funcionário, simpaticamente informou Anacleto que não tinha bilhetes para Novosibirsk, mas que conseguia arranjar-lhe um para Estarreja. Anacleto pensou: ” Olha, não há bilhetes para Novosibirsk, mas ao menos fico a conhecer Estarreja.”

Depois de chegar a Estarreja e de ver que, na realidade a cidade pouco ou nada lhe dizia, o desejo de visitar Novosibirsk reaparece. Desloca-se então à estação e solicita um bilhete para Novosibirsk. O diligente funcionário, informou que não dispunha de idas para Novosibirsk, mas que podia fazer um preço especial para Viseu.

É assim que Anacleto chega a Viseu e rapidamente se sente insatisfeito, não permanecendo mais de 24 horas na cidade das rotundas. Caminhou até à estação e pediu um bilhete para Novosibirsk. Mas estava com pouca sorte, pois não havia bilhetes para Novosibirsk, porém o funcionário deu-lhe como alternativa, uma ida até Vigo.

Ao chegar ao lado de lá da fronteira, a língua tornou-se num obstáculo e os fantasmas de Novosibirsk atormentavam-no. E reafirma a sua decisão em conhecer Novosibirsk. Durante os dois meses seguintes percorreu, desta forma, quase toda a Europa, chegando finalmente a Novosibirsk no dia 27 de Setembro, no comboio das 08:24.

Era o momento pelo qual ansiava, mas a expectativa rapidamente foi subjugada pela decepção e a vontade de regressar. Desloca-se à estação de comboios de Novosibirsk e pede um bilhete para o Porto e o funcionário respondeu:

”Para São Bento ou Campanhã?

domingo, 18 de novembro de 2007

Cabelos Brancos

Era Branco
Branco Leve
Como um Floco de Neve

Será Ranho?
Cacaranho?
Ranho não é certamente
E nunca estive em Paris

Era o meu primeiro cabelo branco
Que me apareceu no Nariz.

sábado, 17 de novembro de 2007

Qualquer dia vou surpreender o meu cunhado.

Qualquer dia vou surpreender o meu cunhado. O meu cunhado tem provavelmente uma das mentes mais brilhantes de Portugal e acreditem que não estou a exagerar. O Nuno Rogeiro ou Professor Marcelo ao pé dele são…mais baixos, pois ele tem perto de um metro e oitenta. Professor, Filósofo, Dramaturgo, Escritor e Encenador torna-se difícil dizer-lhe qualquer coisa que ele não saiba.

Jogar ao Trivial Pursuit, torna-se fastidioso. A minha esperança é que a revista Caras lance uma edição do Trivial Pursuit com perguntas que se baseiem em figuras públicas da nossa praça, porque aí tenho a certeza que lhe bato aos pontos. Antes de acabar a frase anterior, pensei no Trivial do Jornal A Bola, mas mesmo aí o gajo ganhava.

Pois bem, qualquer dia hei-de surpreender o meu cunhado com algo que ele não saiba. Por vezes arrisco uma conversa de carácter mais cerebral e sou rapidamente assolado por um sentimento de que estou a apregoar um dialéctica de terceira categoria, recheada de lugares comuns. Por vezes solto umas frases soltas que oiço nos telejornais, sendo que quando quero mesmo impressionar, largo uma daquelas efemérides que o Mário Crespo relata no Jornal das 21h, para não ter que dizer a Meteorologia, ainda assim em vão e regresso rapidamente a um tema onde estou como peixe na água: O Futebol.

Podia sempre abordar a concepção pessimista que Arthur Schopenhauer tinha sobre a nossa existência ou dissertar sobre a inabalável paciência de Estragon e Vladimir relativamente à delonga de Godot, mas rapidamente voltaríamos ao Mundial de 86 e à Selecção Nacional, que era formada, na sua maioria, por rapaziada da Moita e arredores, porque muito provavelmente, ele suspeitaria que tive uma ajuda do meu amigo Google, na criação de tais pensamentos.

Porém, julgo que muito em breve irei surpreendê-lo. Ando a pensar em ligar para a Nova Zelândia e questionar sobre a quantidade de páginas da Lista Telefónica Neo-Zelandesa. Com o número bem memorizado e no meio de uma eloquente discussão filosófica, politica ou sociológica, deixava sair num tom sereno e intelectual:

“A Nova Zelândia tem uma Lista Telefónica de 1347 páginas, que abrangem diversos produtos e serviços. Desde Lavandarias a Agências Funerárias. Sabias Francisco?”

Gostava de ver a cara dele…

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Polegarzinho

A minha operadora móvel disponibiliza semanalmente 1500 mensagens de texto ou SMS’s para os utilizadores da mesma rede. Fazendo um simples cálculo chegamos ao valor diário de 214.28 SMS’s. 214!

Evidentemente que para atingir esses número existem dois motivos prováveis: ou se é Mudo ou fazemos uma espécie de diário telefónico onde contamos a quem quer que seja todas as acções que fazemos e pensamentos que nos passam pela cabeça.

Admito que esta benesse que a operadora oferece é bastante útil, mas ao mesmo tempo perdem-se aquelas palmadas nas costas ao encontrar um amigo que por este ou aquele motivo já não vemos há algum tempo, porque com os SMS’s gratuitos, o sentimento de presença é constante e perde-se um pouco a sensação de saudade.

Depois existem as trocas de mensagens com conteúdos absolutamente inócuos. Mensagens que apenas são enviadas para exercitarmos o nosso polegar, que desde a chegada do telemóvel está cada vez mais pequeno. Estudos da Universidade de Princeton, na América, alertam para o risco de síncope deste dedo se enviarmos uma média de 137 mensagens diárias.

O motivo que originou a elaboração deste texto, foi uma troca de mensagens com a minha amiga Frida. Algo que é tão transcendente que resolvi partilhar. Aqui ficam as mensagens:

Frida – “Então rapaz…Tudo nice?”
Eu – “Tudo e tu?”
Frida – “Cá vamos indo…”
Eu – “Ok.”

Gostava de salientar que estas quatro mensagens foram enviadas ao longo de cerca de quatro horas. O que é compreensível dada a complexidade da construção frásica e dos vocábulos utilizados.

domingo, 11 de novembro de 2007

Castanhas e Chocolates

Faltam cerca de quarenta e quatro dias para o Natal. Mas a urgência lusitana em antecipar as ocasiões, faz com que os media comecem a passar ininterruptamente os anúncios do Ferrero Roche e Mon Chéri. O mesmo se passa com a Meteorologia: se em Fevereiro está um dia de Sol e a temperatura sobe ligeiramente (estamos a falar de 8º C), é ver meninas de top, da mesma forma que se em Agosto não estão 29º C, é motivo suficiente para ir ao armário ressuscitar os lúgubres casacos invernosos pois “ O Verão já acabou…vem aí o tempo frio.”

Voltando aos chocolates, este ano podemos verificar uma inovação no que toca ao spot publicitário da segunda marca mencionada anteriormente, pois o anúncio foi filmado este ano, situação que não se pode aplicar ao Ferrero Roché, pois a data de elaboração da campanha de Marketing da marca provavelmente remontará à segunda metade da década de 70.

Mas em equipa que vence não se mexe. Assim, o Ambrósio continuará a antecipar os desejos mais profundos de uma senhora que se mostra bastante indecisa sobre o que lhe realmente apetece. Já é um Clássico, porém ainda não atingiu o estatuto de Lenda…Esse está guardado para os filmes “Sozinho em Casa” e “Música no Coração”, que são transmitidos em todos os Natais, desde o nascimento do Menino Jesus.

Pessoalmente, acho que o anúncio tem uma mensagem subliminar: o Mal de Alzheimer não afecta só os mais idosos. É uma doença que nalguns casos pode afectar pessoas mais novas e tornar-se num verdadeiro problema. Digam-me lá quem é que tem idade para ter Alzheimer e quem é que nunca, mas nunca, se lembra do que lhe apetece? Não é o Ambrósio...

Para terminar e como hoje é dia de São Martinho, queria apenas lembrar que Salário Mínimo Nacional é de 403 €, mas temos o maior Assador de Castanhas do Mundo.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Duarte:

Agora que a idade já começa pesa não olhes para o Retrovisor...

Parabéns.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

A Insustentável Levi's do Ser

Calças Levi’s – 107 €
+ Blusão Levi’s – 163 €
-------------------------
= 270 €

Fui às compras hoje e quem pagou foi a FHM.

Há cerca de um mês inscrevi-me num passatempo da Levi’s. O objectivo era escrever uma frase sobre o espírito Levi’s, sendo que às cinco melhores frases era oferecido um conjunto de duas peças da marca, constituído por umas calças e uma camisa, t-shirt ou outra peça de roupa para completar a farpela.

Nunca mais me lembrei do passatempo até receber um mail com a palavra parabéns, escrita a vermelho. De início, estranhei o conteúdo da mensagem. Sempre que recebemos correspondência electrónica deste género torço o nariz…
Lembro-me sempre das Selecções Reader’s Digest, em que nos enviavam cheques avultados e as chaves de uma magnífico automóvel.

Por isso desconfiei do Director de Marketing da Levi’s. Mas lá enviei o mail de resposta e no dia seguinte tinha a informação que podia ir à loja situada no Colombo para escolher a indumentária…E assim foi.

Não me lembro da frase vencedora, mas o que interessa é que já tenho roupinha nova para estrear na procissão da Festa da Moita de 2008.

Quanto às pessoas que acham que nunca ganham passatempos, cliquem aqui.

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Uma Questão de Semântica


O registo fotográfico é da autoria do meu irmão, que teve a amabilidade de me enviar. Foi capturado num prédio na Moita.

Bom, a avaliar pelo conteúdo da mensagem podemos dizer que o problema das esposas em Bragança, se alastrou até à pacata Vila da Moita, onde Ratas indesejadas entram pelas casas das pessoas, levando maridos e mulheres à loucura, destruindo essa sagrada instituição que é o casamento. Podemos perfeitamente interpretar a fotografia desta forma.

Existem homens que não gostam de Ratas, preferindo outro tipo de animais como… enguias. Por outro lado existem mulheres que só gostam de Ratas. Acho que até já vi um documentário sobre isso. Chamava-se: o Paraíso da Ratas. Era apresentado pelo David Attenborough e passou no National Geographic Channel.

Mas neste caso particular, trata-se de alguém que abomina Ratas e tem medo dos danos físicos ou psicológicos que estas Ratas possam causar nas suas vidas.

Ou então toda esta conversa não faz sentido nenhum, e trata-se apenas de alguém que não quer Ratos em casa.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Delfins

A qualidade de um músico é tida em consideração com base numa série de características que os tornam únicos, sendo que não basta ter um corpo são, dois palmos de cara e a capacidade de saber movimentar o corpo coordenadamente, ou, num termo mais prosaico: dançar (verbo que não sei conjugar).

Contudo, actualmente, cada vez mais são estes os requisitos indispensáveis para construir uma carreira. Às vezes, carreiras construídas solidamente, com apenas uma única musica. São denominados os “one hit wonders”. Como por exemplo: o Flat Beat do Mr Oizo (lembram-se do peluche amarelo do anúncio da Levi’s?) ou o Because I Got High do Afroman, música que relatava o quão baixo uma pessoa pode chegar com o consumo excessivo de Cannabis e por último, o inevitável Vanilla Ice com Ice Ice Baby que não carece de adjectivos.

A “máquina” de marketing que está por trás de artistas como o Will I Am (membro dos Balck Eyed Peas) ou da Rihanna, a meu ver, é simplesmente fabulosa. Penso que os produtores destes dois artistas são autênticos génios. Vou mais longe, com produtores deste calibre, em dois anos (ou talvez menos), o esquecido Zé Cabra era gajo para ganhar quatro ou cinco Grammies e não estou a falar dos Latinos.

Consideremos a letra de um hit de Will I Am: a música chama-se “I Got it from my mom”, que traduzindo é qualquer coisa como “Herdei-o da minha mamã”. Mas vamos até ao refrão:

“Baby where’d you get your body from?
Tell me where’d you get your body from.
Baby where’d you get your body from?
Tell me where’d you get your body from.
I got it from my mama.
I got it from my mama.”

Tradução:
Querida, onde é que foste buscar esse teu corpo
Diz-me onde foste buscar esse teu corpo
Querida, onde é que foste buscar esse teu corpo
Diz-me onde foste buscar esse teu corpo
Herdei-o da minha mamã
Herdei-o da minha mamã

Temos aqui um exemplo de como a criatividade e capacidade lírica dão corpo e profundidade a uma música. Mas passemos agora à Rihanna: titulo da música: “Umbrella” ou em português “Sombrinha”. O refrão:

"When the sun shines
We’ll shine together
Told you I'll be here forever
Said I'll always be your friend
Took an oath
I'mma stick it out 'till the end
Now that it's raining more than ever
Know that we still have each other
You can stand under my Umbrella
You can stand under my Umbrella."

Agora em português:

Quando o sol brilhar
Brilharemos juntos
Disse-te que estarei aqui até ao fim
Disse-te que seria sempre tua amiga
Jurei que
Aguentaria até ao fim
Agora que chove mais do nunca
Agora que ainda nos temos um ao outro
Podes ficar debaixo da minha Sombrinha
Podes ficar debaixo da minha Sombrinha

Voltem Delfins, estão perdoados!

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Cimeira União Europeia/Russia

Ao questionar a minha Bicha como lhe corria a manhã, ela, devido ao trânsito caótico da cidade de Lisboa responde-me: QUE STRESS LOGO DE MANHÃ COM O TRÂNSITO…FILHA DA PUTIN!

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Obras



Alvaro Siza Vieira
Antoni Gaudí
Frank Gehry
Frank Lloyd Wright
Zaha Hadid
Julia Morgan
Marion Mahony Griffin
Denise Scott Brown
Susan Torre

Nesta lista de Ilustres e Famosos Arquitectos e Arquitectas, notabilizados por obras como o Pavilhão de Portugal, o Museu Guggenheim em Bilbao, a fachada da Sagrada Família, ect.. nenhum deles realizou ou realizará uma obra-prima que está apenas ao alcance dos arquitectos/as predestinados.

Falo-vos de um/a filhote/a que está a caminho, realizado pela Arquitecta mai linda da Moita e arredores e pela sua “Lua-metade”: Mike.

Muitos parabéns aos papás Sónina e Mike!!

domingo, 21 de outubro de 2007

Fim de Semana na Moita

Gosto das conversas com o meu irmão.

Gosto de conhecer pessoas sensatas.

Gosto de ajudar os meus amigos nas obras de suas casas.

Gostava de não ter deixado cair o meu Ipod nas obras das casas dos meus amigos.

Gostei muito do jogo de basquetebol.

Gosto de botas de basquet com fita-cola.

Gosto de uma cerveja com os amigos ao fim da tarde.

Gosto de jantaradas na casa do Spock.

Gosto dos pais do Spock.

Gosto de anedotas de porcos com perna de pau.

Gosto de encontrar a minha Bicha ao jantar, aliviada com o regresso de Fátima, e sentir o cheiro bom do seu perfume suave.

Gosto dos meus Amigos.

Gosto mesmo!

Gosto de reparar como os meus amigos se mimam uns aos outros.

Gosto dos Primos dos Pais do Miúdo Ruivo, ainda que não os tenha visto neste fim-de-semana.

Gosto de hambúrgueres ao fim da noite, com tipos que só existem a essa hora.

Gosto de ver a minha amiga Su a assustar-se a dançar Tarrachinha e a pedir para dançar como nos bailes de Carnaval.

Gosto de almoços na esplanada.

Gosto de um Muralhas fresco.

Gosto do atendimento do restaurante O Cais.

Gostava que o joelho do Diogo sarasse de vez.

Gosto de ouvir a voz alegre da minha mana que está em Itália.

Gosto de ir à Moita.

sábado, 20 de outubro de 2007

O Génio

No jornal Público de dia 19.10.2007, foi publicada uma notícia que dá conta de umas afirmações de um cientista de renome, chamado James Watson, que afirma que os Negros são menos inteligentes que os Brancos.

Pois bem, cabe-me a mim, enquanto Negro, provar que este ilustre cavalheiro não podia estar mais errado. Assim, apresento-vos uma série de provas, das mais variadas áreas, que nós Negros somos tão inteligentes quanto os Brancos:

Prova n.º 1 - Cálculo Matemático: 2 + 2 = 7

Prova n.º 2 - Geometria: O Triangulo é uma forma geométrica de 6 lados.

Prova n.º 3 – Cultura Geral: Winston Churchill foi ponta-de-lança do Nápoles em 1980.

Prova n.º 4 - Música: Mozart nasceu na pequena freguesia de Alhos Vedros foi ex-baixista do Quim Barreiros, mas por questões pessoais abandonou a Banda e juntou-se aos Megadeth.

Prova n.º 5 – Medicina: O primeiro médico a realizar uma Lobotomia foi o Dr. House.

Bom, tendo em conta as provas anteriormente apresentadas, julgo que este senhor é realmente um génio. Todavia e como negro (claramente com um défice intelectual), tenho uma questão e peço desculpa, se estiver a chatear( porque sou burro):

Qual a relação entre a cor da pele e as capacidades cognitivas de um ser humano?

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

A resposta à adivinha é:

a sempre em lágrimas Lucia Moniz.

É impressionante! Sempre que estou a fazer zapping,, durante horário nobre, quando passo na SIC, invariavelmente vejo a Lucia Moniz a chorar.

Ou é por dor (emocional ou fisica), ou é de alegria. Às vezes até chora sem ser necessário...Interiorizou de tal forma a personagem mártir, que em cenas tão banais como comprar um jornal ou lavar a loiça, lá está a Lucia Moniz  a chorar.

"- snif snif...É o Correio da Manhã e a Maria por favor..."

"- snif snif...este detergente deixa a loiça num brinco..snif snif.."

(os snifs são sempre aos pares?)

Pronto Lucia...Já passou!

  

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Dois Pesos e Duas Palavras

Comemora-se anualmente, no dia 24 de Outubro, o Dia do Exército Português, data em que se celebra a tomada de Lisboa, em 1147, pelas tropas de D. Afonso Henriques, Patrono do Exército. Este ilustre militar, diferenciava-se entre os demais, pelo seu acurado sentido de estratégia, liderança e principalmente a capacidade inata de perceber português.

Tendo em conta esta efeméride e o perfil de uma figura tão importante na história de Portugal, julgo ser adequado relatar-vos uma história de alguém que nunca poderia ter sido um líder. Não pela falta de sentido de estratégia e liderança, mas pela incapacidade de perceber a língua materna em situações de stress.

Passou-se nos idos anos noventa. Na altura, o recenseamento militar era obrigatório e se o nome dos mancebos constasse na lista de passagem à reserva territorial publicada nos editais da Câmara Municipal, era sinal que não teríamos bolhas nos pés durante um par de meses, ou que também não iríamos conhecer aquele tipo castiço de Vila Nova de Famalicão que estaria presente em todos os acontecimentos importantes da nossa vida, pois tinha ido comigo à Tropa.”

Assim, esta personagem (actualmente emigrado num país Europeu) é chamada à Inspecção Militar, que nem sempre era vista com bons olhos pelos jovens. A inspecção militar comporta uma série de exames físicos que incluem, um exame oftalmológico, exames de audição, etc. Os recrutas são também medidos e pesados. E foi aqui que o nosso protagonista falhou.

Na altura da pesagem, os Oficias ordenaram ao recruta que se dirigisse para a balança, no sentido de ser (espante-se!) pesado. Espantado com a ordem, o recruta hesita. O Oficial torna a gritar. O recruta permanece estático. O Oficial, no limite da paciência, grita: “BALANÇA CA#%&#$#!!!”

É então que se dá o que não era expectável: a personagem, intimidada com os gritos do Oficial acede ao que lhe é pedido e inicia um movimento oscilante da esquerda para a direita, balançando o seu corpo de um lado para o outro. Houve claramente uma má interpretação do português, o que por vezes acontece…

Quis o destino que o seu futuro não passasse pela carreira militar. Imaginemos que num cenário de Guerra, a este militar era dada a ordem para Disparar…Provavelmente ele gritaria: “Pára!”

Se o D. Afonso Henriques fosse assim, hoje falaríamos espanhol.

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Qual é coisa qual é ela

que numa das séries de ficção/entretenimento de produção nacional, salvo raras excepções, está sempre a chorar?

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Pomp the Jam

“A palavra pompoar ou pompoir é algo como pulsar, com esse movimento, durante o acto sexual o homem sente apertar, soltar, torcer o seu órgão sexual, num jogo amoroso rico e fantástico. Tanto a mulher quanto o homem sentem um aumento muito grande da libido e chegam ao orgasmo com muito mais facilidade além de melhorar a qualidade de seu relacionamento, quando a mulher tem a musculatura vaginal fortificada.”

Pois é…o termo é Pompoar. Por outras palavras trata-se de uma forma de as mulheres ficarem com caparro na vagina, melhorando as suas/nossas vidas sexuais. É algo que pode muito bem revolucionar a nossa, até agora triste, existência enquanto seres humanos. Julgo até, que é na Arte do Pompoar que reside a salvação humana.

A maior parte dos flagelos do Mundo estão relacionados com a ausência de Mulheres que (ainda) não dominam esta destreza. Senão vejamos:

- Se na Irlanda do Norte, as Mulheres católicas praticassem esta Arte, os jovens mortos no Bloody Sunday de 1972, teriam ficado mais tempo em casa leia-se na cama e muito provavelmente até nem iriam à manifestação que originou a sua morte…Eu de certeza que não ia..ainda por cima num domingo, que só me apetece ficar em casa a ver os filmes da TVI.

- Se as Mulheres Judias soubessem pompoar, muito provavelmente os homens judeus teriam preferido instalar-se num local do Mundo onde a hospitalidade fosse algo a ter em conta, como por exemplo em… Punta Cana e não em Israel…e o conflito israelo-palestiniano nunca teria existido.

- Se as Mulheres Africanas dominassem esta Arte, provavelmente que os Políticos Africanos não seriam tão corruptos e por esta altura já o Continente já estaria tão desenvolvido como o Europeu.

- Se a Mulher do Hitler soubesse pompoar, ele talvez não teria morto 5 Milhões de Judeus e as suas teses racistas e anti-semitas não teriam sido postas em prática, dando lugar a um comportamento mais humano e talvez o Woodstock teria tido lugar bem antes de 1969, em Awchevitz, que ficaria ligado a um lindo e livre festival e não a um campo de concentração nazi …Os exemplos não param…

Assim, o que acho é que se deve fazer um Campanha Inter-Continental sem paralelo. À semelhança do Live Aid.

Criar um Ginásio Global para a fortificação vaginal e o fim dos flagelos que nos impedem de estar mais próximos uns dos outros.

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Edredons


Há os que são altos, há os que baixos, há os que são muito altos, há os que são muito baixos. Depois há os outros, os gordos, os magros, os brancos, os pretos, os amarelos e os que têm muito pêlo.

É sobre este tipo de espécime que vos quero falar. Mais propriamente, sobre o querido e prezado amigo Tony Branco Ramos, que terão prazer de conhecer na próximas linhas.

Nascido a 14 de Julho de 1979, desde cedo que os pais viram que estavam perante um fenómeno da Natureza. Aos dois meses, a sua cabeleira fazia corar qualquer membro desse icone musical dos anos 80, os Europe. Os pais, desde logo procederam à abertura de uma Conta Bancária para fazer face às despesas capilares do pequeno Tony Branco Ramos. Felizmente, na nossa solidária e pacata rua, havia uma senhora que de manhã podava as árvores do Parque da Moita e que quinzenalmente não se importava de aparar os tufos do pequeno T.B.R.

Em meados dos anos 80, os pais receberam uma proposta do Vítor Hugo Cardinali, que lhes prometia cento e cinquenta contos, para apresentar o filho num espectáculo circense, no qual faria um número, que habitualmente era desempenhado por um chimpanzé que se encontrava com gripe.

Os pais declinaram a proposta. Nesse ano juntaram cerca de 350 contos com a venda de pêlos do filho para a manufactura de almofadas, numa fábrica em Albarraque.

Aos 8 anos de idade a sua vida mudou. Ofereceram-lhe uma Gillete. Entre os 8 e os 10 anos fazia a barba uma vez por dia, todavia esta rotina não era encarada como algo negativo, pois tinha muitas vantagens. Como por exemplo, o facto de ter de usar after-shave, que lhe permitia ter casos amorosos com miúdas mais velhas (de doze anos) vitimas de paixonetas causadas pelo intenso e hipnotizante odor do Old Spice.

Aos catorze participou no sucesso cinematográfico Família Adams, interpretando uma personagem designada de It. Este papel mereceu a sua total dedicação, pois durante três dias não cortou nem um pêlo para dar um maior realismo à performance. Esteve também no Brasil, onde fazia de duplo do Tony Ramos.

Actualmente é um homem feliz e bastante bem casado. Reside em Monção e no Inverno a sua família não usa edredons de penas.

Eu já encomendei um Edredon de Pêlos.

domingo, 30 de setembro de 2007

3:06 min de sofrimento

Ana querida, tens uma voz fabulosa...Feliz Aniversário!


sábado, 29 de setembro de 2007

Dúvida

Pergunto: se assistir à totalidade dos programas da Universidade Aberta, transmitidos no Canal 2, nas manhãs de sábado, serei Licenciado?

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Bem ou Mal Passadas?

Estávamos os dois em casa e preparávamo-nos para jantar e ver o futebol. Eu, iria comer umas entremeadas, o Déspota febras…A coisa corria bem, até que decido ir ao café/restaurante/mercearia/drogaria/farmácia e às vezes casa de alterne, que fica na minha rua, comprar uma coca-cola…

A carne já estava na chapa e a viagem ao café/restaurante/mercearia/drogaria/farmácia e às vezes casa de alterne, duraria pouco mais de três minutos e dezoito segundos. Nisto, peço ao Déspota para dar um olho na carne, para evitar a carbonização.

Desço.

Demoro três minutos e vinte e um segundos.

Assim que meto a chave na porta, vejo um holandês de quase dois metro a correr para a cozinha e a fazer entremeada flambé…Estava carbonizada a carne…E a cozinha cheia de fumo.

Ao confrontar-lhe com o sucedido, argumenta que não foi esquecimento. Não obstante, as suas febras estavam perfeitas e ele estava prostrado no sofá a deliciar-se com umas febras grelhadas au point, enquanto televisionava o jogo de futebol…

Depois de algumas injúrias, vimos o futebol e comi as entremeadas…que apesar de queimadas até estavam boas.

Moral da História: Febras provocam Amnésia.

Assim é que é Santana.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Carisqueiro - Versão Devaneio do Spock

"Tenho de admitir que senti alguns remorsos por ter dito ao mano Alcides que a ideia do carisqueiro (isqueiro abre-caricas) já existia, acabando assim com as negociações que já tinha iniciado com a BIC, e ficando a temer represálias por parte da sociedade secreta que julgava ter encontrado um caminho para a fortuna...

No entanto, confirmada a noticia de que o isqueiro abre-caricas já existe, a que acho que ainda não inventaram, e normalmente muito necessária após a 3ª mini, seria a mini (ou carica) com isqueiro embutido.

Como é sabido, tabaco e bebida andam de braços dados a partir de uma determinada quantidade (falo como ex-fumador, mas que tão bem conhece e reconhece os prazeres do cigarrinho de canto da boca com bebida na mão), como tal seria uma dupla vantagem, quer para a solução prática no estado ébrio estilo “onde é que pus o isqueiro, ah, quero lá saber vou pedir mais uma mini”, bem como para o comércio que ofereceria tabaco, o que às tantas até equilibrava o custo acrescido do tabaco nos fumadores e quem sabe estimularia campanhas versão -bebe 3 que logo meio maço vês, ou – bebe um packzinho e ganhas logo um macinho.

É certo que a mente por vezes germina tal qual canteiro em início de Primavera, e mesmo tentando travar o pensamento não consigo deixar de ver as vantagens de uma promoção da “Malmeborro” na bela Moita, em plena festa de Setembro, e até já estou a ver o filme no belo café (e catedral) Lareira:

Moçoila – Ó sáxavôr, hic, sô Albinio, tem aí um piack, hic hic, de cerbeijas? É com o macinho Malmeborro heim…

Albino – Primeiro que tudo menina, que enormes seios. Depois o nome é Albino e não Albinio. Terceiro, aqui está o pack, o macinho da promoção, e o extra da
“Malmeborro, Moita Taurina” , um Malmeborro Man (e lá vinha o pack, o maço, e o moçoilo cowboy).

Moçoila – Ui ca bom, hic, hic, esta noite promete…
Era bonito, o verdadeiro estoiro da boiada, o faroeste no planeta Moita. Já imagino pelos arredores da Vila os carros a abanar, enquanto se ouvia em alto e bom som “aiiiiôôôôôôô Sillvvvviiiiiiaaaaa".

Bem, o perigo é entrar nestas linhas de pensamento, porque facilmente se perde o rumo e se calhar também começaria a magicar ideias alternativas até haver alguma coisa versão maço de tabaco com cinzeiro incorporado, assim em estilo pedra mármore, e isso…não dava lá muito jeito no bolso das calças.

Abração

Sergei"

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Afinal já existe


Acabo de saber que a ideia já existe…
Miguel… esquece a patente..

Carisqueiro

A Loja do Cidadão é sem dúvida um simplificador de vida. A ideia de congregar num único espaço as mais diversas entidades resulta na perfeição, uma vez que podemos resolver uma variedade de assuntos com relativa brevidade. Podemos considerar que esta invenção revolucionou o dia-a-dia dos portugueses, uma vez que trouxe um maior bem-estar a todos os cidadãos.

Transpondo este conceito para as pequenas coisas, os nossos problemas seriam garantidamente menores.

Consideremos o seguinte exemplo: todos nós sabemos da dificuldade em abrir garrafas de bebidas cuja selagem é feita com “caricas”. Sabemos também que, provavelmente, na falta de um descapsulador, o utensílio mais utilizado para este fim é o isqueiro, contudo nem todos nós tem a capacidade ou o engenho para o fazer. Por outro lado existem alguns seres (os Dotados) que o fazem com isqueiros, facas, extremidades de mesas e os mais radicais fazem-no com os dentes.

No último fim-de-semana, durante um jantar, surgiu uma situação em que na falta de um descapsulador, tivemos que recorrer ao isqueiro. Bom, posso garantir que não foi fácil. As minis estavam quase quentes, tal foi a demora em realizar tal proeza ou seja abrir as cervejas com o isqueiro. Após façanha e enquanto se discutia o modus operadi, um dos intervenientes, insurge-se com uma ideia que provavelmente resolveria esta problemática que assola os menos hábeis:

e se se criasse um Isqueiro com um Descapsulador incorporado?

A ideia foi recebida com bastante agrado e estamos neste momento em conversações com a Bic no sentido de se iniciar a comercialização deste utensílio, agora ainda mais prático. Chamar-se-á Carisqueiro.

Até à sua entrada no mercado, fica um pequeno Workshop na arte de abrir minis com um Isqueiro:

1- Com a mão direita, segure no gargalo da garrafa.
2- Gire o pulso para que o nó do polegar (osso sesamóide) fique na posição das 14h.
3-Coloque o Isqueiro paralelamente ao nó do dedo, com a sua extremidade por baixo da carica.
4-Pressione, utilizando o osso como apoio e a carica saltará, estando a bebida pronta a ser ingerida.

* - Exemplo aplicado para destros, sendo que os canhotos, deverão realizar todo o processo com a mão que lhe for mais conveniente.

ps - foi omitida a identidade do inventor para o proteger de eventuais situações de chantagem ou extorsão.

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Festa da Moita (este texto é grandote)


A interrupção na escrita das linhas que fazem este espaço, deveu-se a um acontecimento que tem lugar uma vez por ano na Vila da Moita: As Festas em nome da Nossa Senhora da Boa Viagem, acontecimento que se assemelha ao Ramadão, invertendo apenas alguns princípios: é obrigatório comer carne de porco (entremeadas, bifanas, couratos) e a ingestão de bebidas alcoólicas deve ser encarada com uma crença.


Posto isto, as próximas linhas serão uma espécie de diário do que foram estes últimos seis dias.

Dia 01 (Segunda-Feira dia 10 de Setembro) – após um dia de trabalho, rumei à Moita com a minha querida amiga Su Pinto, que no primeiro dia da Festa (de resto o dia mais perigoso da Festa, devido à capacidade inata dos Moitenses se descontrolarem com bebidas espirituosas) não ficou indiferente à ansiedade que assola os habitantes desta pequena localidade e agarrou o “Touro pelos cornos”, expressão que se adequa, em virtude de se tratar de uma feira taurina. O estado de ebriedade era tal que o seu amigo Gregório esteve presente. O jantar de 2ª, teve lugar na casa de campo da amiga Psicóloga (situada bem no centro da Vila), um lugar que respeita as tradições tauromáquicas, com cartazes e adereços alusivos a corridas passadas. Devido a uma questão de logística, a janta atrasou-se um pouco, o que fez com que a ingestão de cevada, animasse os presentes, mais rapidamente que o costume. O resto da noite foi calmo, ainda assim acordei com a cabeça pesada…

Dia 02 (Terça-Feira 11 de Setembro) – O Síndroma Faixa de Gaza ataca! O acordar com os morteiros que anunciam a Largada de Toiros, faz lembrar o conflito Israelo-Palestiniano. Eram 10 da manhã e preparava-me para ir à largada quando o caríssimo amigo The Chicken, teve uma excelente ideia: surafdinha matinal, para curar a ressaca, na Praia Grande. A Maria Vinagre foi estreada em Praias da Grande Lisboa. Com a ajuda do The Chicken, surfei a minha primeira onda completa, desde a remada ao take of…tudo como deve ser. Foi também na terça-feira que contabilizei a minha primeira entremeada. O resto da noite foi calmo, ainda assim acordei com a cabeça pesada…

Dia 03 (Quarta-Feira 12 de Setembro) – Terceiro dia de festa e penso: é hoje vou levar uma vida saudável...Mas não…Fiquei em casa até às 13h e fui almoçar com o Gigante. Lá se foi a intenção. A ementa era variada: entremeadas, bifanas e vinho…o almoço prolongou-se até às 18h…seguiu-se um jantar com o mano velho. Nessa noite fiquei em casa. O resto da noite foi calmo e não acordei com a cabeça pesada.

Dia 04 (Quinta-Feira 13 de Setembro) – Um dia que me marcou, na verdadeira acepção da palavra. Fui completar uma das minhas tatuagens a Setúbal, com o meu amigo Ondas, minha amiga psicóloga e a minha sobrinha. 2h30 de a tatuar. O resultado foi óptimo e deixou-me bastante satisfeito. Se estiverem a pensar fazer uma, fica o contacto: Domus Tattoo Art - 937573431/265571322. Digam que vão da minha parte… A noite foi de reggae...Bem divertida, como o ritmo pede. Como o meu irmão mora na zona envolvente à praça de toiros e o barulho é insuportável, dormi na casa da psicóloga. Dormi bastante bem. O resto da noite foi calmo, ainda assim acordei com a cabeça pesada…

Dia 05 (Sexta-Feira 14 de Setembro) – O dia da Tarde do Fogareiro. Um dia absolutamente fantástico, em que revi imensos amigos, nomeadamente o meu querido Tony Ramos e a sua esposa, bindos directamente de Monção. Parecia um encontro de ex-combatentes do Ultramar. A tarde do fogareiro é actualmente o ex libris da Festa. Milhares de pessoas juntam-se na pequena Avenida Teófilo de Braga, onde há de tudo: Fogareiros mínimos, pequenos, médios e gigantes, onde se vêm porcos inteiros a assarem. Uma logística absolutamente incomparável . Havia fado vadio, a fanfarra e o expoente máximo da Dança Moderna Contemporânea : O Comboio do Uga – onde as pessoas, ao som de uma banda que tocas temas populares, dançam, dando dois passos para a frente e três para trás.

Um pequeno senão: a batida no carro da minha Bicha por parte de um infeliz que não se dignou a deixar um contacto…Mas testemunhas é coisa que não falta.

Mais tarde, fomos à casa do Spock bebericar mais umas cervejas e comer mais um chouriço assado e salsichas frescas. Dormi na casa da Psicóloga e ela conta que olhava de soslaio para o relógio, em sinal de “estou cheio de sono e acabamos de conversar amanhã…” O resto da noite foi calmo, ainda assim acordei com a cabeça bem pesada…

Dia 05 (Sábado 15 de Setembro) – Dia dedicado à comida. Acordei e dirigi-me à casa do mano Du, onde vi um pouco do jogo da selecção de rugby. De seguida, esperava-me uma Moamba que não tem paralelo, na casa da mãe do estimado amigo Spock. Um tarde descontraída, onde reinou a boa conversa e as boas vibrações. De seguida, jantar na casa da Arquitecta mais bonita que conheço…Juntei mais umas entremeadas ao meu saldo que já ia longo…No jantar esteve presente um membro honorário do C.O.N.A. O João, que já não é namorado e sim marido, mas que tem lugar reservado no conselho de administração deste Centro. O resto da noite foi calmo, ainda assim acordei com a cabeça bem pesada…

Dia 06 (Domingo 16 de Setembro) – Apressei-me para vir para Lisboa, pois vim ouvir os ensinamentos do Dalai Lama no Pavilhão Atlântico…

Se ao menos os tivesse ouvido no dia 01…

sábado, 8 de setembro de 2007

Jardim

Metamorfoses

Mudam-se os tempos mudam-se as vontades. E também as prioridades. O que ontem ser acessório é hoje indispensável. O que dantes eram caprichos dos mais endinheirados, é hoje o Ópio do Povo, massificado pelos media, mais particularmente pela, sempre ligada, Televisão.

Tenho conhecimento de três programas de televisão que se centram na metamorfose do ser humano: Extreme Make Over, do People + Arts; Dr. Preciso de Ajuda, da TVI e I Want a Famous Face, da MTV.

Pois bem, relativamente aos dois primeiros, até os compreendo, pois nem toda a gente nasce com a carinha laroca da Angelina Jolie, os dentes harmoniosamente alinhados do Enrique Iglesias, o rabo…(bom o rabo da Jennifer Lopez dispensa qualquer adjectivo) e os abdominais do meu amigo Ondas. Assim, que melhor presente poderia uma pessoa ter, que uma equipa de médicos cirurgiões, que transformam sapos em príncipes e princesas, sempre disponíveis a fazerem sair à rua, pessoas que apenas tinham vontade de o fazer por alturas do Entrudo?

Já o programa emitido pelo canal de música, acho-o discriminatório. A essência do programa, reside no facto de ilustres desconhecidos serem submetidos a cirurgias plásticas, em que o resultado final é uma cara igual à de um ilustre conhecido.

Ora, toda a gente se quer parecer com a Britney Spears, o Brad Pitt ou a Carmen Electra. Eu pergunto-me: porque é que ninguém vai ao dito programa e pede uma cara igual à da Vanessa Fernandes, Campeã do Mundo de Triatlo ou do Armando Gonçalves Teixeira, vulgo Petit, capitão do Sport Lisboa e Benfica?

Afinal, são tão famosos quanto os outros.

domingo, 2 de setembro de 2007

Porn-On-Demand

A TV Cabo disponibiliza um serviço bastante inovador: o Video-On-Demand ou em português Videogravador-A-Pedido. Este serviço, permite, através do carregamento do Cartão de Cliente visionar filmes das mais variadas temáticas. Uma dessas temáticas é a nunca-fora-de-moda Pornografia. Até aqui tudo bem. Todavia, não deixa de ser absurdo que alguém se dê ao luxo de gastar dinheiro para ver filmes pornográficos, quando a Internet disponibiliza quantidades industriais de pornografia gratuita para todos os gostos, desde as cabeludas, às anãs passando pelas amputadas (quem me ouve escrever deve pensar que passo todas as minhas folgas e os meus tempos livres na Worl Wide Web a investigar sobre este tema tão envolvente).

Pois bem, para que qualquer produto ou serviço seja vendável e daí advenham os lucros, há que apresentar as suas vantagens. E perguntam vocês: que tipo de vantagens pode a TV Cabo apresentar com o Video-on-demand, mais especificamente no visionamento de pornografia?

A resposta reside apenas numa palavra: Descrição

Sim, a Descrição. Porque se carregarmos o Cartão de Cliente com 50€ e quisermos estoura-los em filmes do Nacho Vidal ou qualquer outro tipo do género – com títulos sempre sugestivos como: “Sopra-me no Trompete”, “A Branca de Neve e os Sete Matulões” ou também “O Penetrador Implacável” – podemos faze-lo sem que a esposa saiba onde está a ser gasto o orçamento familiar, porque na factura não é descriminada qualquer informação comprometedora.

Porém, esta vantagem poderá ser uma faca de dois legumes, porque o facto a informação não ser descriminada na factura enviada, pode originar que se repita um filme já visto e se perca toda a emoção e o dramatismo que este tipo de cinema acarreta. E depois há também a desvantagem de não poder mostrar aos amigos o quão cinéfilo um gajo se está a tornar e porventura trocar umas facturas com os amigos…Apenas no sentido de conhecermos outras obras do género.

Quanto a mim, prefiro ver a RTP Memoria…Sempre vejo o meu Sporting a triunfar.

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Women's Secret

A ideia que as Mulheres deveriam vir acompanhadas de um livro de instruções não é original, nem tão pouco recente. Não obstante, gostaria de dedicar algumas linhas deste tema tão agradável, na nossa taberna virtual.

As estatísticas dizem que as Mulheres falam mais que os homens, ou melhor, os homens falam apenas o essencial. As mesmas estatísticas afirmam que o Homem fala mais no período “engate”, reduzindo substancialmente o número de vocábulos proferidos após a fase anteriormente mencionada, significando este facto, que o Homem é uma criatura, que na companhia da Mulher, tem tendência para se tornar monossilábico.

Todos os homens já foram abordados pelas suas Mulheres, esposas, namoradas, etc, com a mais complicada das questões…A sempre dificil e fatídica: “O que é que tu tens?”

Ora bem, como não quero que este texto (e eu enquanto autor) tenha qualquer conotação Machista, até porque admiro as Mulheres em todo o seu esplendor, aqui ficam algumas interpretações, da mais contundente das respostas dada por nós homens: o lacónico “Nada.” (seguido de um ligeiro encolher de ombros).

Estou certo que algumas Mulheres, as que reflectem sobre esta temática, terão aqui uma ajuda preciosioa e que poderá ser um catalizador das suas relações afectivas, pois vão estar perante a resposta ao maior dos enigmas da Humanidade: as interpretações do Nada masculino:

Interpretação I – A vida sexual não está tão activa quanto o desejado -basicamente tudo se resume a isto. Nós Homens, somos bastante previsíveis e o nosso instinto carnal sobrepõe-se à nossa eloquência.

Nada como o bom velho sexo para nos tornar mais faladores...

Depois existem as compras. Quem nunca discutiu com a mais-que-tudo numa ida às compras que lance a primeira pedra. Confesso que eu tenho dias…Há dias em que me sinto predisposto para tal e o resultado é bom...Mas depois, há os outros dias… Quanto a esses, posso adiantar que a Massimo Dutti do Chiado tem umas revistas porreiras e o sofá que está virado para os corredores do Grandella é muito confortável. Às vezes dão-nos rebuçados…Julgo que é por compaixão, pelos intermináveis momentos de espera...

Também não percebo porquê que quando vamos comprar detergente para a loiça, temos que parar no corredor das panelas de pressão ou no corredor das pás do lixo. Por isso, um livrinho era uma ajuda valiosíssima para desvendar esses segredos tão bem guardados.

Igual àqueles do Ikea, bem simples...

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Negligência Médica

Errar é humano…Se não fosse assim, não teriam inventado o lápis com a borracha numa das extremidades. E a Vodafone errou, mas atempadamente, reconsiderou e manteve mais uma cliente.

Passou-se com a minha Bicha. O telemóvel da minha Bicha teve um AVC, que lhe deixou com severas debilidades no lobo occipital, responsável pela apresentação das imagens no visor do enfermo aparelho. Dadas as incapacidades do paciente electrónico, em funcionar convenientemente, a minha Bicha (deveras preocupada) ligou para o neurocirurgião das telecomunicações, reportando o acidente e a gravidade do mesmo, pelo que foi convidada a passar numa das suas clínicas, de forma a discutirem a seriedade da lesão e acertarem pormenores, que dizem respeito uma coisa tão insignificante como o… dinheiro.

De salientar que o paciente, gozava de Seguro de Saúde, pois estava dentro da Garantia. Posto isto, a minha Bicha, preocupada com o bem-estar do pequeno Nokia, chamemos-lhe assim, dirige-se às instalações da Vodafone no Parque da Nações e interna o rapazote. Sem demoras, apresentam-lhe a factura: 70 Eur! Alegaram que tais lesões estão incluídas nas Exclusões (!!!) do seguro.

Mas era tarde e a situação pedia uma resolução urgente, pelo que o deixou na clínica. Porém, como na medicina e em tudo é sempre bom ouvir uma segunda opinião, no dia seguinte a minha Bicha falou com uma figura já recorrente deste pequeno espaço cibernético: Su Pinto de seu nome, que em boa hora a aconselhou em ir buscar o pequeno Nokia à clínica e leva-lo a ver outros especialistas.

No dia seguinte, a minha Bicha fez o contacto e disse que ia buscar o rapazote porque existiam outras clínicas que por um valor mais reduzido, executavam a mesma cirurgia, ao que eles assentiram, com alguma relutância. Minutos depois, a Vodafone contactou a minha Bicha, a comunicar que não só teriam todo o gosto em realizar a operação como iriam fazê-lo de forma completamente gratuita, pois o Seguro de Saúde - entenda-se Garantia - cobre este tipo de lesões, em situações excepcionais.

Acabo de falar com a minha Bicha, a operação correu bem e o pequeno Nokia tem alta hoje... mas este é o estado da Saúde em Portugal.

Momentos de Gloria

Foi assim que me senti hoje, depois de uma grande corrida, da esquina da Avenida de Berna com a Rua Laura Alves até à paragem do 26, situada na Avenida Conde Valbom.


quarta-feira, 22 de agosto de 2007

O Trolley dela...

O Trolley dela não é novo. Porém, se estabelecêssemos uma comparação entre o Trolley dela e um automóvel em segunda mão, que estivesse para venda e o comprador questionasse sobre a quilometragem, o vendedor certamente mentiria, invocando que o carro teria muitos menos quilómetros. Mas a verdade é que o Trolley dela tem (para ser exacto) 1 00 5296 mil km.

Falo-vos de uma amiga que muito provavelmente tem raízes ciganas, não apenas por gostar de festas que duram três dias, mas pela sua personalidade nómada, que se faz sentir particularmente na época estival. O seu porto de abrigo fica localizado na cidade de Portalegre, que mais parece um aeroporto internacional, onde faz escala para os mais diversos pontos do Mundo.

Antes de escrever estas linhas fui informado que o Trolley dela foi visto em Cuba…ali para os lados de Ferreira do Alentejo.

Passei cerca de 12 dias de férias no Rogil e por diversas vezes tomámos o pequeno-almoço na Padaria do Rogil, onde trabalha uma padeira que durante o dia é uma diligente empregada de Balcão e à noite uma men eater como canta a açoriana. Sempre nos questionámos do motivo das filas em tal padaria, todavia e após algumas teorias cheguei à conclusão que se devia ao facto de a partir das 7h30 da manhã (dos dias em que o Trolley dela foi visto no Rogil!!) não ser possível dormir no Rogil.

Havia um som que nos impedia de dormir.

O som, esse, nunca se soube de onde vinha. Não era um som estridente, mas estranho…Lamentavelmente, o meu vocabulário é limitado e não consigo encontrar uma palavra para o descrever. Acontece que as pessoas, por não conseguirem dormir, dirigiam-se para a padaria e como os empregados não estavam preparados para receber tanta gente, rapidamente se formavam filas intermináveis. O tema de conversa dos clientes ao balcão era, invariavelmente, o som que lhes impedia de dormir.

Nos dias em que o Trolley dela foi visto no Rogil, ela descobriu que tem uma respiração um pouco mais ofegante…quando dorme.

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Parabéns Cunhado!

Como psicólogo que és, queria partilhar contigo o que vejo nesta imagem do famoso Teste de Rochard, para saber se estou no bom caminho ou se tenho um comportamento desviante que porventura me levará à Loucura:

Vejo nesta imagem: cavalos-marinhos, o bigode de um cowboy, um gold fish, a Torre Eiffel, o simbolo do Cancro, um soutien e duas tulipas.

Parabéns Cunhado!!

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Duvida

Hoje no Chiado vi o filho quer dizer a filha, ou melhor o filha, aliás a filho…o coiso do Néné...

sábado, 18 de agosto de 2007

One Man Show

Estava na Estação de Metro Alvalade, quando entra um Dread: calção abaixo do rabo, T-shirt do 50 Cent, colar do 50 Cent, casaco de fato de treino branco (com o capuz na cabeça) e uns Ray Ban espelhados no rosto. Tinha aquele andar típico dos rappers americanos…calçava uns chinelos que demonstravam já algum cansaço. Estira-se no banco, em pose de Gangsta Rapper.
Não era um Rapper, mas era Gangsta.

Duas estações à frente, entram os Fiscais. O Primo não perde a pose.·Começa a rotina da apresentação dos títulos de viagem, fossem eles passes ou bilhetes. O Primo, com os pés no banco da frente, de braços cruzados, mantém a postura. Os fiscais aproximam-se...

Ao chegarem ao “nosso” Primo, os fiscais, pedem-lhe o respectivo bilhete e perante tal pedido eu e a plateia daquela carruagem de Metro fomos brindados com uma interpretação teatral fabulosa, digna de um Globo de Ouro. Ao melhor estilo do Fernando Mendes em Nós os Ricos. O tema da interpretação era: “Onde está o bilhete…que não comprei?”

Nisto, o Primo, apalpava bolsos, abria e fechava a carteira, olhava para debaixo do banco procurando o utópico bilhete e com a subtileza de um elefante numa loja de porcelanas, vai-se aproximando da porta, numa clara tentativa de fuga. O fiscal, que pesava pouco mais de 107 kg, facilmente entendeu o elaborado plano de fuga e quando o Primo tentou fugir, nem teve de se mexer…Já estava na porta.

Houve ainda um pequeno momento de tensão e alguns empurrões, mas o Primo, foi cercado por um grupo de fiscais que apareceram sabe-se lá de onde e a coisa rapidamente serenou. Foi convidado a sair do Metro e apresentada a consequente coima.

Moral da história: perante a adversidade, vale sempre a pena tentar fazer valer qualquer dote que tenhamos, seja ele o da interpretação teatral ou qualquer outro, mais que não seja para animar o pessoal. Eu diverti-me.

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

En'clave

Passava um minuto das 19h48, quando o meu amigo Visgolho me telefonou. Nem por sombras imaginava o serão que iria ter…

Quase no fim de um turno calmo em que falei durante muito tempo sobre Fundos de Investimentos e as oscilações do mercado económico, sou presenteado com jantar admirável e uma sobremesa seis estrelas.

O mais curioso foi que o tempo em que nos decidimos sobre qual o restaurante a escolher foi o mais reduzido possível.

http://enclave.restaunet.pt/cozinha.asp. Aceitei de imediato.

Quando chegámos, a sala estava vazia e assim continuou, o que tornou as coisas bastante próximas da perfeição. A simpatia e simplicidade das pessoas que nos atenderam, logo à chegada, foram pontos a favor; a qualidade da Cachupa elevou a fasquia a um nível pouco habitual; o vinho estava à temperatura ideal e quando assim é qualquer Quinta de Cabriz ou Meia Encosta (o vinho escolhido por nós) rapidamente ganha traços de Cartuxa ou Barca Velha (permitam-me a hipérbole pois estou mesmo entusiasmado).

Voltando à qualidade da Cachupa, quero apresentar as minhas desculpas às minhas irmãs e ao meu irmão, mas foi uma das Cachupas mais bem confeccionadas que tive a oportunidade de comer, entenda-se alarvar.

De súbito, ouvimos uns acordes de Cavaquinho e de Guitarra em jeito de afinação e em menos de nada estávamos perante dois músicos que tocaram, entre outros, com Bana, Cesária Évora, Ildo Lobo, Mayra Andrade…, numa sala só para mim e para o mano Visgolho. Se a noite estava a ser perfeita tornou-se fascinante.

A primeira parte da sobremesa foi servida em versão acústica, só com guitarra e cavaquinho, a segunda com um vocalista que num tom familiar interpretou diversos temas num ambiente descontraído e familiar.

No fim privamos com os músicos e trocamos umas ideias num registo cliché, ainda como que cereja no topo do bolo.

Vai correr tudo bem mano Vesgo…

Parabéns à Mana Sissi

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

A Vida Foi Bela

As minhas férias ficaram marcadas na minha cabeça…
Não só pela quantidade de belas praias que tive a oportunidade de conhecer, a gastronomia fantástica, a boa disposição das pessoas que estiveram à nossa volta, como pelo grande escaldão que apanhei na minha careca.

Na véspera da partida de férias e de forma a estar o mais apresentavel possível, resolvo ir ao barbeiro. Vou ao meu quarto, abro a primeira gaveta da cómoda e retiro o meu cabeleireiro privado. Uma máquina de rapar a cabeça comprada numa loja oriental por 12.90 € (não lhe chamo loja do chinês para não ferir susceptibilidades). O corte corria de feição, até que decido acertar uns tufos que tinham escapado. Opto pela máquina de barbear, possuidora de um golpe mais rente. Na sequência de um deslize (a máquina de barbear cortou muito mais rente) e de maneira a minimizar os estragos, leia-se ficar com uma careca sem diferenças capilares, opto pela Gillete, ficando com um couro cabeludo reluzente e livre de pelosidade, o que se veio a revelar fatal.

Ao fim de três dias de praia e apesar da utilização de protector solar, abate-se sobre a minha careca um enorme escaldão que me acompanhou durante os dias de ócio estival. Era vê-lo nas praias da Arrifana, do Amado, de Odeceixe, da Amoreira…

Porém, estas férias foram também marcadas pelo meu abandono do Surf, com um palmarés absolutamente desconcertante: cerca de 8 dias consecutivos a tentar pôr-me de pé…e nada.

Perde-se uma estrela do Surf e ganha-se uma constelação no Long Board.

Numa das visitas a Odeceixe, questiono ao dono de uma Surf Shop se compravam pranchas em 2ª mão e se tinha alguma maior para venda, ao que ele respondeu que sim. Depois de lhe dizer que estava a aprender a surfar ele pediu que lhe mostrasse a minha prancha. Assim que ele viu a prancha, acabou rapidamente com as minhas esperanças de algum dia me tornar num Kelly Slater e numa pronúncia alentejana divertidissíma diz-me: “Alcidis… com esta prancha nunca mais te pões de péii!!”

Depois de algumas negociações, apresenta-me a Maria Vinagre, uma australiana de 2 metros, e foi amor à primeira vista. Em menos de nada já estava em cima dela…Aconteceu na praia do Amado. Aquilo que não consegui em oito dias consegui-o em duas horas..Foi muito bom. Tão bom que até valeu um cigarro no fim..

Nestas férias certifiquei-me que mulheres e compras são inseparáveis. Se nalgum momento pensei que a minha Bicha fosse diferente, tive a prova do contrário. Ela e a namorada do déspota, paravam em tudo o que era banca de venda ambulante. Se porventura nalgum sítio houvesse algum hippie a vender ossos mastigados por um dos seus cães, elas paravam e ficavam a admirar as capacidades regurgitadoras do canino.

Já nós, os homens, temos uma proximidade latente com tascas e minis…é como o complexo de Electra, mas em relação à cerveja.

Mas de forma a poder beneficiar de mais momentos como estes, já estou a trabalhar…não obstante, habituar-me-ia rapidamente ao estilo de vida dos meus ultimos doze dias.

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Belle Époque

Terminaram 15 dias de umas férias fantásticas!
Neste momento o meu ritmo é lento, muito lento mesmo…Espero recuperar a dinâmica brevemente…Até lá, sigo devagarinho…

terça-feira, 31 de julho de 2007

Li!

Faço apenas uma interrupção nas minhas férias e venho aqui para desejar os parabéns a uma recente amiga, possuidora de um sentido de humor fantástico e uma boa disposição contagiante.

Perguntas-te do motivo do vídeo…Não! Não estamos a fazer uma vaquinha para te oferecer esta viatura…Com este vídeo, eu e pessoal queremos dizer-te que se receberes uma palete de Tijolos de 20 é sinal que gostamos muito de ti e que não queremos que entres em órbita.

Desculpa mas não há balões para ninguém!

Muitos Parabéns Li.


PS – qualquer retaliação relativamente à piada do peso é da inteira responsabilidade do mano Du.


sexta-feira, 27 de julho de 2007

Pois é..

Se soubessem o tempo que perdi à procura de uma imagem que espelhasse o meu estado de espirito pelo simples facto de estar de FÉRIAS, não acreditavam...

Até já..