quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Longo Caminho

O Papel higiénico é um tipo de papel fino (ou não) utilizado na limpeza íntima, após a evacuação. É importante (e a meu indispensável) que este utensílio de extrema utilidade seja branco. A cor alva permite fazer a inspecção pós-evacuação, no sentido de nos certificarmos que não existem resíduos indesejados que provocam a selagem da roupa interior.

Mas como o progresso é uma coisa linda, há já algum tempo, encontra-se a ser comercializado papel higiénico às cores. As cores disponíveis são do mais chic e trendy possíveis: Chic Noir; Verde Zen, Laranja Electrizante ou Fuschia Feérico.

Ao ler as pequenas considerações sobre estes papéis coloridos, fui surpreendido com as seguintes frases:

“Ambientes “Puro e Luminoso Branco” mediterrânicos, ou ambientes “Profundo Breu”, suspirando por Nova Iorque adoram Renova Black. Perfeito.”

“Guarneça com 2 rolos de Renova Orange Higiénico e envolva com uma Nabcast Chillout que o seu Nabaztag toca para si et voilá! A receita perfeita para conquistar juventude interior.”

“Relembre aquele apaixonado fim-de-semana no México, luxuosamente guarnecido do mais nobre turco aveludado vermelho escarlate, uma banheira cheia de Spa Lights, o seu Renova Red higiénico e muuuito romance no ar. A parceria perfeita!”

Papel higiénico como elixir da juventude? Passo um fim-de-semana no México e coisa que relembro com mais carinho foi aquela ida à casa-da-banho (no dia em que estive de diarreia por causa dos tacos e das enchiladas) onde o papel higiénico era Laranja?

Estamos a falar de fezes e do sempre elegante acto de limpar o rabo…Independentemente da cor do papel, já pensaram na figura que fazemos enquanto limpamos o rabo? Aquele olhar de soslaio para o papel que acabou de passar pelo canal da mancha...É patético, mas necessário. Mas se estivermos a utilizar o rolo Chic Noir, de nada nos vale esse olhar...

Desde os tempos em que se utilizavam folhas de alface ou sabugos de milho para limpar o rabo, percorreu-se um longo caminho. Um longo caminho…

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Bar do Senhor

A Igreja Católica não pára de me surpreender. A paróquia de Monte Real engendrou um mecanismo pop para colocar os fiéis a cantar os salmos em uníssono.

Farto de missas que mais se assemelhavam às manhãs do mercado do Bulhão, o pároco de Monte Real recorreu à tecnologia, mais propriamente ao Karaoke. Muniu as paredes da igreja com plasmas de alta de definição e a febre de sábado à noite tem continuidade no domingo de manhã.

Esta medida irreverente pode modificar a Igreja de Monte Real, pois os habitantes que gostam de sair à noite podem confundir as missas de domingo de manhã, com o after-hours de algum baile dançante. Assim, a ideia de ter um segurança à porta, no sentido de fazer a triagem entre as beatas e os ébrios, pode não ser tão descabida quanto isso.

O Karaoke na Igreja pode aproximar o profano negócio da noite com as sagradas missas dominicais: ao Sound System e aos Seguranças, juntemos-lhe o dress-code, a guest list e a distribuição de flyers. As manhãs de domingo nunca mais serão as mesmas em Monte Real.

O Genuflexório seria almofadado e teria uma parte em napa, o Ostensório substituído por uma bola de espelhos com imagens litúrgicas e o título honorífico do Sr. Padre seria actualizado para MC.

A Casa do Senhor é agora...o Bar do Senhor.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Paz













Neste frenesim Natalício, quando os sms's e mails se disparam mecanicamente (em que eu não sou excepção), quando a essência desta época é por todos conhecida mas não assimilada, aproveito o post do mano Alcides que deixa bem viva a subtil mensagem do que realmente importa. Paz.


Nestes dias, mas acima de tudo em todos os restantes do ano onde não há uma "obrigação" em nos lembrarmos (ou melhor, que acaba por ser um frenesim por parecer mal esquecermo-nos de alguém), que em vez de desejarmos um "Bom Natal" digamos algo que soe a "que estejas em paz".

Nem que seja através “daquele” sorriso contagioso ao sair da água.


Um Santo Natal, um "planeta" de sorrisos, muita paz para todos.






terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Sonhadores

Sintam a paz desta curta metragem...
Absolutamente fabulosa.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Georgios Kyriacos Panayiotou

É Natal…Iluminam-se as ruas, ecoam nas ruas os cânticos de Natal e o George Michael reaparece nas rádios. Não porque perpetrou mais um escândalo sexual num qualquer lavabo americano, mas porque compôs uma cantiga intemporal: “Last Christmas”. Atrevo-me a dizer que esta música está para as músicas de Natal como o “Sozinho em Casa” está para as noites de consoada.

É uma época repleta de hipocrisia, em que subitamente há um interesse sobre aquelas pessoas que dormem na rua (negligenciadas durante 364 dias) e o consumismo aumenta substancialmente. As notícias repetitivas que contabilizam o número de sms’s enviados, em detrimento do tradicional postal, escrito à mão, assolam os telejornais.

Os comerciantes antecipam os saldos de Janeiro, aumentando o endividamento familiar com a aquisição de consolas, telemóveis, ipods e outros gadgets, cujo pagamento pode ser feito em suaves prestações, com créditos com taxas de juros bastante competitivas…na ordem dos 30%.

Esquece-se que mês de Janeiro tem 31 dias e a chegada do fim mês é uma miragem…mas não faz mal porque sobram sempre Mon-Cherris e Ferreros Rocher.

Não me interpretem mal, pois gosto imenso do Natal. Gosto de ver a minha sobrinha sorrir com a história do Pai Natal (desconhecendo que o senhor já é sénior e devia estar a descansar, mas em tempos de crise um part-time dá sempre jeito) e gosto do seu entusiasmo no momento da abertura dos presentes.

O meu Pai Natal é um tipo chamado Luís, que mora em Almada, faz tiro-com-arco e trabalha no Bad Bones, ali no Bairro Alto…e “deu-me” o meu presente há cerca de duas semanas. Demorou quase duas horas a faze-la.

Termino estas linhas desejando aos três leitores do Coisas Simples um Natal cheio de bombons Lindt, que são os melhores.




* - para os que ficam a pensar no título deste texto, adianto-vos que é o verdadeiro nome senhor gosta de amar nos WC.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

A culpa é dos Réclames.

A nossa sociedade é tremendamente machista. Basta considerarmos a seguinte dicotomia: um homem que dormir muitas mulheres é habituamente apelidado de Casanova ou D.Juan, ao passo que se uma mulher dormir com muitos homens é uma galdéria ou uma meretriz. A forma como a nossa sociedade se comporta é machista e isso é incontornável.

As mulheres ganham em média menos 17% do que os homens e só uma em cada 40 mulheres pode vir a ocupar um cargo de chefia, ao contrário dos homens, em que a relação é de um para oito.

Contudo, julgo que a descriminação da Mulher irá sempre ocorrer enquanto a Publicidade existir e continuar a explorar a Mulher e o corpo da Mulher. Se não vejamos, há uns anos trás para fazerem publicidade de uma manteiga, expuseram uma Mulher a banhar-se nua numa lagoa...Eu pergunto: o que é que pão com manteiga tem que ver com mamas e rabos desnudados? Bom, não sei...

Outro exemplo de que a publicidade é inimiga da igualdade entre homens e mulheres é o anúncio da Água do Luso: anúncio que não é mais que um fragmento de striptease, onde se vê uma jovem de belas sinuosidades a bebendo água, vestindo apenas umas cuecas e com o cabelo a tapar-lhe os seios...Se o intuito era ficar com água na boa, conseguiram...

Não obstante é um anúncio machista.

O último exemplo é o do detergente para a loiça. Andam as mulheres a lutar para que os seus maridos/namorados as ajudem (muito) mais nas tarefas domésticas, quando algum wise guy se lembra de algo que provavelmente foi pensado para se escapar à lavagem de pratos, copos, panelas e talheres: um detergente que contém uma espécie de creme para as mãos que ajuda a proteger a pele das mãos.

É que com este detergente a mulher já não tem desculpa para não lavar a loiça. Acabem mas é com os réclames e deixem as mulheres descansarem.

Mas só depois de lavar a loiça.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Coisas Simples(mente fantásticas): Os Amigos

Partilho convosco um mail que recebi de um Amigo...A minha banda sonora foi o Bonga com: "Tenho uma lágrima no canto do olho."

"Boas manão

Primeiro que tudo sorry (anglicismo) por ainda não te ter dito nada mesmo tendo lido de corrida o post em que soube teres amantes canadianas, as noticias vão chegando por vias “seguras” e a malta parece que acaba por saber que está tudo bem e é como se em sintonia já tivesse mostrado a preocupação e recebido resposta. Não é a mesma coisa, eu sei, mas parece que a sintonia é mais forte.

Não costumo enviar este tipo de mails (não ouvi com som, não vá isso deturpar o sentimento), mas para mim este mostra mais que uma simples mensagem de mails, de som, de imagens. Na sequência do post no Coisas acerca do Obama, este foi daqueles que (para além da cultura geral que se adquire), me fez parar e acreditar que a esperança a existir só poderia ter como base uma ligação deste tipo, ser a base de um mundo melhor. De todos e para todos. A perceber os vários cantos dum planeta redondo.

Ao vê-lo fiquei a absorver, a pensar, a recordar tantos momentos de sorrisos, e às tantas olhei à volta e lembrei-me que até tinha um mundo assim no nosso seio de amigos. Que dá importância àquilo que verdadeiramente importa, pra quem tudo nesta vida faz parte, que dá importância aos pormenores.

E às tantas veio-me a tua imagem naquele dia lá em casa com cara mágica a dizer “estava ver estas fotos todas da malta…”, “…o nosso grupo…”, “…tantos momentos de sorrisos…”. Tu sabes como é.

Pois é, não sei se as adversidades dos gigantes do poder e dos que alimentam o poder deixarão voar quem tem todas as condições para o fazer da melhor forma, sabemos que nada disto é simples, e que para obter um mundo melhor se precisa mudar muita coisa.

Mas de uma coisa tenho a certeza meu mano, com os nossos tentáculos que levamos a tantos cantos vamos fazendo de forma natural a nossa parte, por meio de pormenores que são a nossa verdadeira maneira de ser. E quanto a um mundo melhor… sinto-me feliz, porque por mais pequeno que seja nós já temos um.

Grande abraço"

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Lojas Locais...ao virar da esquina!

No dia 16/11 ficou online o novo projecto da evolSolutions (empresa mecenas do CoisasSimples, que contribui com um leitor: o sr. Engenheiro) , o portal LojasLocais.pt.

O conceito por detrás do portal http://www.lojaslocais.pt/ é criar uma rede social tendo como entidade central o utilizador, o comércio local, as competências de cada um e disponibilizar tudo isso para todos na forma de um motor de procura. Este motor de procura devolve os resultados em função da distância dos Anúncios ou das Lojas, de forma a dar ênfase à relação de proximidade. Quantas vezes não vamos comprar coisas longe de casa porque não sabemos que existem quase ao virar da esquina?

Tudo isto é disponibilizado gratuitamente, para que a pessoa ou loja se anuncie e só cobram alguma coisa (valores muito razoáveis) quando são activados catálogos, encomendas, notificações ou o teor é efectivamente comercial ou publicitário.

Fica aqui o convite para fazerem uma visita ao portal. Façam o registo e se tiverem coisas para vender, comprar, trocar, alugar... coloquem anúncios! É de borla... grátis...

Para quem tem espaços comerciais, coloquem no portal. O registo de lojas não está disponível para ser feito online, mas basta enviar um mail para info@lojaslocais.pt para que sejam pedidos os dados necessários e eles tratam do resto. Conseguem colocar online qualquer loja em menos de 5 minutos e a loja pouco precisa de saber de novas tecnologias... Caso haja esse interesse, fornecem um serviço completo – da máquina (que também vendem) até á publicidade e catálogos on line.

Já agora e se puderem, promovam, promovam o conceito lojaslocais.pt.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Coisas Simples, perguntas Simples!!!

Se de repente te fosse colocada a hípotese de seres um deles quem escolhias e porquê?
Alternatica 1) - José Socrates! Este presente que tanto nos atormenta...
Alternativa 2) - George Bush! Este QUASE passado que tudo destruíu...
Alternativa 3) - Barack Obama! Esta esperança em que todos acreditamos...

Quem disse que a vida era fácil???!!!

Da Noruega com Amor.

Os directos na TV têm coisas muito curiosas. Como aconteceu ontem de manhã, no noticiário Bom Dia Portugal, na RTP.

O apresentador noticiava a apresentação de uma Trufa Gigante com um valor absolutamente pornográfico.

Nisto, termina a notícia e passa à Meteorologia e numa tentativa de estabelecer um diálogo com o meteorologista de serviço, o apresentador diz que as Trufas são uma bela iguaria e coiso, ao que o meteorologista responde:

“- É verdade, mas eu prefiro um bacalhau cozido com batatas e legumes!”

Urina

Os astronautas do Endeavour conseguiram reciclar Urina transformando-a em Água.

Há uns meses eu escrevi isto.

Anda lá perto...

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Revolta-te!

Creio que não será injusto afirmar que todos nós, uns um pouco mais e outros menos, estamos cada vez mais fartos, cansados e desiludidos com este país. Reparem que “ainda” classifico Portugal como um país quando no fundo e com toda a honestidade deveria de fazê-lo de outra forma.
De todo pretendo direccionar este meu desabado para uma qualquer crítica política ou de pura contestação às “Figuras” que nos desgovernam á anos a esta parte. Creio que, não estarei errado se dizer que dentro de nós existem uma crescente revolta, um sentimento latente de insatisfação social, onde o justo cada vez mais paga pelo pecador.
Somos assaltados todos os dias com noticias a lembrar um qualquer país em subdesenvolvimento, num desenrolar de factos quer sociais, políticos, económicos, onde crimes e burlas, são a um número avassalador tratados e resolvidos com a maior impunidade. Penso não ser necessário enumerar os demais casos que todos nós temos bem presentes no nosso quotidiano, casos esses que por via dos “Lobby's” bem montados, vão disfarçando uma realidade bem cruel e que os conduzirá ao “Olimpo” da absolvição divina.
É continuar a ver os Casas Pias, os BPN, os Millenium, os Isaltinos Morais e Valentins deste país, felizes e crentes de que embora empurrados pela sua enorme vontade de “Serviço Público” bem como pelo enorme carácter de fazer o bom uso da causa pública, viverão bem, estão ainda melhor e como se não bastasse cada vez mais INJUSTIÇADOS.
Como tal, reservo-me a afirmar com uma frase cliché que nunca tanto como agora faz tanto sentido dizer…… “O crime compensa”.
Tal como tudo na vida as acções bem como as atitudes, a minha, a vossa e as deles, é uma realidade que se reflecte como um espelho em que nem sempre a imagem é a mais correcta. Eu por mim vou dizer BASTA!!!!!! E tu?

O Futuro é Hoje.

Ontem, durante uma sessão de formação no emprego, reparei que a Língua Portuguesa já não é o que era. Refiro-me à quantidade de anglicismos que abundam na nossa Língua.

Acho-os despropositados, quando temos palavras em Português que podem ser utilizadas.
A frase que me despertou a atenção foi: “ Com o programa informático X, existe a possibilidade de carregar a informação do Agregado Familiar do cliente e linkar outras pessoas que possam estar de alguma forma relacionadas com ele.”

Linkar? O que é Linkar?

Não sei…Sinceramente não. Mas alguns poderão dizer que esta nova forma de linguagem advém da globalização. E como eu sou da geração Aldeia Global, vou provar que também sei falar, leia-se escrever, com anglicanismos e os próximos três parágrafos serão prova disso.

“ O Baby-boom que se deu na Primavera de 1980 fez com aumentasse o número de Baby-sitter’s, mas o background de algumas dessas crianças não era, de todo, o melhor. Muitas delas, para saírem do guetto, queriam ser rock-stars para puderem ter sexo selvagem com groupies. Mas rapidamente o sonho torna-se uma utopia e a realidade faz com que o jovens se mostrem mais interessados no carjacking do que trabalhar em empresas de elevados cash-flows.

Outros optam pelo FranchisingItálico, cozinhando Big Mac’s nalgum Shopping. O facto de trabalharem numa cadeia de fast food, por vezes, faz com que comam muita junk food e esquecem-se de fazer check up’s para verem como está a sua saúde. E quando o fazem, o timming já passou e estão à beira de um enfarte e passam a ter refeições light ou então tornam-se Vegan’s.

Todavia alguns destes jovens tornaram-se Businessmen de sucesso, nas áreas do Factoring ou do Leasing. Mas o stress e os deadlines, podem ser factores que os obrigue a terem pouco quality time e as férias em vez de ser num país distante, são passadas num qualquer resort no Algarve ou nalgum empreendimento de time-sharing. E esta situação só acontece se não houver over-booking.”

Esta é a linguagem do futuro…se não gostarem podem deslogar a internet ou deletar esta página dos vossos favoritos.

Poligamia

As entorses são propícias à Poligamia...Proporcionam sempre a possibilidade de alguém ter duas Canadianas para usar e abusar...

As minhas chamam-se: Alanis e Nelly.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Guarda-Redes

Os juízes do Tribunal Judicial de Felgueiras sofrem do Sindroma de Ricardo.

Passo a explicar: no passado dia 07 de Novembro, condenaram a escorregadia presidente da câmara local, Fátima Felgueiras, a uma pena de prisão de três anos e três meses, suspensa por igual período, com pena acessória de perda de mandato, pela prática de três crimes. O colectivo absolveu a autarca dos restantes 19 crimes, entre os quais, a corrupção passiva e a participação económica em negócio. Contudo, o crime de abuso de poder que originou a perda de mandato já prescreveu em 2007, pelo que esta pena acessória não terá qualquer validade.

Em futebolês, deram um grande frango!

Porque é que não estou surpreendido? Porquê que a promiscuidade entre o poder local/autárquico e o poder judicial não me surpreende?

Julgo que a ilustre autarca deveria figurar na lista dos mamíferos mais lúbricos do Planeta tal é a sua capacidade de se esgueirar por entre as malhas da Justiça. Justiça essa que, perante esta decisão, lhe deveria ser retirado o cartão de sócio da ACAPO…Porque de amblíope nada tem.

Considero um insulto afirmarem que a Justiça é Cega, pois esta expressão, actualmente, pressupõe que os cegos se deixam manipular, que os cegos não são completamente imparciais e principalmente que não fazem um “julgamento” isento da generalidade das pessoas.

Quanto ao Tribunal Judicial de Felgueiras, sugiro que na abertura do mercado contratem um Guarda-Redes Internacional com provas dadas, no sentido de tornarem as malhas judiciais intransponíveis.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Adults Only

O jogging está para o Desporto como a masturbação está para o Sexo. É uma actividade exercida isoladamente, que ajuda a queimar algumas calorias.

Bom, após esta breve introdução, não é de espantar que o tema deste texto seja a Pornografia.

Há uns dias, enquanto eu e um amigo explorávamos as potencialidades do computador Magalhães (que, verdade seja dita, não foi concebido para meninos gordos, pois as teclas são minúsculas) questionámo-nos sobre a elevada segurança inerente aos sites de pornografia.

Os informáticos que geraram os sistemas de segurança que impede que menores não acedam a sites de conteúdo inapropriado, são pessoas sérias e crentes na palavra de cada utilizador.

O sistema obriga a uma complexa resposta, antecidida de uma complexa pergunta: Tens mais de 18 anos? Se Sim clica em Entrar; Se Não clica em Cancelar.
Ou então antes de aceder ao conteúdo proibido, o sistema de segurança solicita uma informação acessível apenas a adulto: a introdução de uma data de nascimento de um adulto.

Posto isto, é evidente que algum adolescente com 14 ou 15 tenha alguma visto pornografia, pois os sistemas de segurança são altamente eficazes e bastante difíceis de serem ultrapassados. Sem falar na impossibilidade dos adolescentes mentirem relativamente à sua verdadeira idade, mais ainda, se estiverem sozinhos no conforto dos seus quartos, equipados com internet de alta velocidade.

Assim, com estes softwares de segurança engenhosos e infalíveis, estamos seguros que as nossas crianças não estão expostas à pornografia ou outras temáticas igualmente explícitas.

domingo, 9 de novembro de 2008

SIMPLE QUESTION!!!

E se de repente descobrisses que o teu melhor amigo(a) fosse GAY?

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Cerâmica

Num país de altos níveis de produtividade como Portugal, a necessidade de pausas durante o dia de trabalho é algo de indispensável e extremamente essencial para elevar ainda mais o rendimento dos trabalhadores portugueses.

A pensar nisto o designer português Tiago Gonçalves Nunes, criou um objecto digno de representação na exposição da prestigiada BIO.21 - Bienal de Design Industrial da Eslovénia: a 90 Minutes Cup, ou numa tradução um pouco mais prosaica A Caneca da Função Publica.

O conceito baseia-se na ideia que a cada 90 minutos os trabalhadores devam fazer uma pausa para reporem níveis de concentração e consequentemente melhorar a qualidade do seu trabalho.
É inovador e absolutamente necessário, mas num país onde o chico-espertismo é uma das características mais valorizadas, seria de esperar que as canecas fossem adulteradas para que o Coffe Break fosse antecipado de 90 para 30 minutos, alegando problemas de desconcentração.

Esta caneca seria vista como algo que ajuda à concentração e o Centrum seria descontinuado.

Consoante os graus de desconcentração existiriam 45 Minutes Cups, 30 Minutes Cups e 15 Minutes Cups para os que sofrem de Desconcentração Crónica, vulgo Fumadores.

O sector da Farmácia seria rapidamente substituído pelo sector da Cerâmica e caso esta situação venha eventualmente a acontecer a cidade das Caldas da Rainha será o local escolhido para a produção deste medicamento.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Meias Palavras

Tal como diz o provérbio, no sentido de que nem sempre é necessário proferir a totalidade das frases para se perceber o sentido das mesmas, clama-se por vezes que para bom entendedor meia palavra basta. Mas há dias…

Admito que mesmo com os melhores “entendedores” por perto, tenho dias em que provavelmente só quem tivesse capacidades telepáticas me conseguiria compreender, dadas as escassas “pistas” que forneço. Digo “pistas” porque de certa forma percebi que nas manhãs ora sem stress, ora em estado errante pós-noite, me aproximo dos concursos agora tão em voga na TV. A diferença é que eu não uso saltos altos nem uso decotes a mostrar seios que não possuo.

Este fim-de-semana, após uma sequência de dias de férias anti-stress (primeira componente), acabei por jantar e sair para a noitada com parte do team maravilha. Até aqui tudo bem, se bem que já esboçava um estado semi-zen em que somente mantinha um sorriso e proferia curtas expressões. Só que após a noite “bom astral”, da qual fez parte combustível “wiki” (segunda componente), ao acordar senti-me ainda mais zen que na noite anterior.

Durante as desventuras geradas por meliantes noctívagos, principiei a notar então que as minhas tentativas de intervenção nas conversas com o team acabavam todas por ser infrutíferas, dado que somente exprimia quatro a cinco palavras e o resto pura e simplesmente se esvaía na intenção. Exemplifico:

“Opah, é tipo aquele filme com o … (?)” – Expectativa geral do team a aguardar a continuação da ideia. Sem sucesso.
“Isso foi como no outro dia em que… (??)” - Expectativa geral do team, já com cara de gozo, a aguardar a continuação da ideia. Sem sucesso.
“Então isso era tipo… (???)” - Expectativa geral do team a saber não haver continuação da ideia, e a gerar gozo geral. Aceitação do estado.

Valeu-me a orientação do team, tardia, quanto à localização para onde era suposto deslocarmo-nos para o merecido brunch, e só com a sobremesa me curei repentinamente. Vivam as visões sugar-free. ;)

Nessa noite, já com o team mais completo, acabei por perceber que não era o único a ter estes surtos de quebra de expressão. Percebi-o quando em conjunto com o team, se proferiu no ecrã algo como “…e portanto irá ser…hmmm…”, e quase em uníssono, elementos do team e no ecrã exclamaram: “…coiso…”.

Adoro o regresso à normalidade.


Nota: Viva a excelente orientação plas ruas de Lx (nem GPS’s ajudam), os solos de trompete no WC, o on/off do “wiki” Jameson, os olhares de bacalhau (convenientemente representados), e o falar/cantar non-stop durante 1 hora num idioma diferente … mantendo todos os dentinhos. Desconfio que a sorte foi a t-shirt envergada por um certo elemento do team…

O Sonho

Hoje é um novo dia. Para o Mundo e sobretudo para os Estados Unidos da América. O sonho do Dr. Martin Luther King tornou-se realidade. E sem dúvida, a acontecer, teria que ser necessariamente na América.

O caminho que Barack Obama tem pela frente é dificil e por vezes irá tornar-se tortuoso, mas a esperança que ele emana atravessa fronteiras e a identificação com um Homem que tem uma visão magnânima sobre o Mundo unifica-os enquanto habitantes desta “Aldeia Global”.

Não posso deixar de escrever sobre o facto de ser Negro (Mestiço; Afro-Americano) o próximo Presidente dos Estados Unidos, num país e num mundo cercado pelo preconceito. Porém, apesar de ser um crítico dos americanos, julgo terem votado no Homem e nas ideias de Barack Obama.

Mccain nunca foi um adversário à altura de Obama e isso foi expressado na votação, mas gostei imenso do seu discurso no sentido de unificar a América e congratular a perseverança do seu oponente.

Terminam assim oito anos de uma má administração, oito anos de uma política internacional belicista, de total desinteresse pelas causas ambientais em detrimento das causas capitalistas. Mas, efectivamente, terminou.

Estou esperançado, estou optimista, mas ciente da estrutura governamental americana e dos meandros da Casa Branca. Não será um mandato fácil, mas terá um presidente que traz Mudança e ideias novas.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Prisão de Ventre

Após 30 anos de Salazarismo e de analfabetismo, vivemos finalmente numa época em que o cidadão comum tem acesso à educação em geral e à Literatura em particular, incluindo as sempre informativas e elucidativas fotonovelas, cuja actriz principal era uma jovem de nome Gina.

Temos acesso aos grandes autores, de Nietzsche a Mantorras (Livro Directo – Prime Books 2007), bem como a literatura altamente galardoada. Mas nem sempre o facto de a Literatura ser galardoada, significa que o prémio tenha sido pela qualidade da escrita, mas sim pela estranheza da publicação.

Pois bem. Os Prémios Diagram galardoam o livro mais excêntrico do ano. O prémio deste ano foi para: “Os funcionários dos correios rurais gregos e os seus números de carimbo."

Mas ao longo de 30 anos de existência foram premiados os livros mais bizarros e lembrei-me de partilhar alguns deles com V. Exas:

1978 – Acta dos Debates do 2º Encontro Internacional sobre Ratos Nus.
1979 – A dona de prostíbulo na qualidade de gerente empresarial: Gestão de carreira na Prostituição em Bordel
1980 – A Alegria dos Frangos.
1982 – A População e outros problemas. (Publicações Nacionais da China)
1985 – Crescimento natural do busto em toda a sua pujança. Como potenciar os 90% restantes do seu espírito para aumentar a dimensão dos seus seios.
1986 – Sadismo oral e personalidade vegetariana.
2003 – O Grande Livro das histórias equestres de lésbicas.
2004 – Trate o seu cavalo à prova de bombas.
2005 – Pessoas que não sabem que morreram: como se alojam em transeuntes inocentes e o que fazer.
2006 – Carrinhos de supermercados extraviados do nordeste dos EUA. Um guia de identificação no terreno.


Não há prisão de ventre…Há maus livros.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Super Embalagens

Provavelmente já todos passaram pela rotina de comprar aquele objecto desejado, e perderem pelo menos metade do entusiasmo de o adquirirem por terem de passar pelo ritual de abertura. Isso mesmo, refiro-me aos produtos selados com embalagens “blister” anti-roubo.

Ontem, após adquirir produtos selados com uma embalagem destas, sentei-me confortavelmente para a “cerimónia” e tentei pôr em prática alguns métodos de abertura que anteriormente funcionavam, só que as embalagens de ontem tinham características que acabaram por só ao fim de grandes esforços permitir aceder aos desejados (nessa altura já era algo tipo “ ’tão, tás bom?”) objectos.

Como tinha de comprar mais umas coisas, e ao olhar para os inúmeros pedaços das embalagens blister, ocorreu-me seguir uma linha de abordagem diferente e testar quem em principio dominaria a arte de lidar com estes monstrinhos. Pensei “hmmm, será que os gajos da loja sabem?”. Manhoso, eu sei…

Já na loja, e de produto na mão, lancei de forma “inocente” a questão para o ar:

- “…estas embalagens é que são sempre do piorio para abrir…” , e tal como eu esperava, o sorriso do empregado abriu-se (naquele estilo de quem sopra sobre as unhas, e pensa “agora vou-te mostrar quem sabe”)

- “Pois é, mas faz parte da componente de segurança dos produtos, sabe como é”. Lá saber disso eu sabia, mas o que eu pretendia era não ter de ser eu a passar pela tortura da abertura, como tal maliciosamente propus: “vocês devem dominar a abertura destas embalagens, dá para abrir esta?”. Sucesso.

Prontamente agarrou na embalagem e com as mãos começou a torcer o plástico, mas tal como era esperado apesar de se torcer mais que as acrobatas chinesas, a embalagem nem deu sinais de ceder à abertura. “Lindo show para uma tarde de segunda-feira”, pensei. “Há algumas que são mais difíceis de abrir…” retorquiu o empregado enquanto torcia a blister e principiava a ficar mais ruborizado.

Decidido, exibiu um x-acto e atacou com redobrada convicção a embalagem, mas só serviu para ao fim de uns cortes calculados partir a lâmina e quase se cortar a ele mesmo. Mantendo um ar de sapiência, restou-lhe devolver um “bem, não tenho aqui uma tesoura, mas em principio se cortar aqui e aqui isto abre logo…”. Em principio? Quer dizer eu compro mas posso eventualmente correr o risco de nunca aceder ao objecto na vida, tá bonito, se se lembram de selar papel higiénico nestas embalagens tou bem tramado…

Voltei a casa, e inconformado pesquisei acerca de possíveis soluções para esta praga hi-tech, e foi nesse momento que me deparei on-line com um elucidativo (não vale torcendo a boca começar a repetir os “n” termos caricatos do mesmo) técnico que demonstra as várias soluções para a abertura deste tipo de embalagens. Espero que vos seja útil, em prol de uma vida sem stress:

http://super.abril.com.br/videos/conteudo_videos_263952.shtml



Solicito que se alguém topar um larápio a gamar num supermercado, que por favor vá ter com ele pra indagar acerca de possíveis “advanced solutions” para a abertura destes cofres-fortes. É que como a bandidagem anda sempre mais à frente nestas coisas…


PS: Agora que ficou a dica vou só dar um saltinho ao CUF Descobertas pra ver se me cosem a perna a tempo. É que me empolguei tanto com a descrição do “expert” que apoiei a embalagem na perna, e quando dei por mim… o serrote já tinha passado o osso


segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Amigos

Os amigos são aqueles que pensam em nós. E a prova disso são os vários sms’s que vamos recebendo.

O último foi o seguinte:

“Vimos um sósia teu…mas..com Sida. Era igual a ti, mas com Sida e com uns Ray Ban.”

A amizade é linda, não?

Steinbeck

Não se fala de outra coisa: A crise. Subitamente abriu-se a Caixa de Pandora e a razão de todos os males do mundo é a Crise.

Tenho um furúnculo no ânus: É a crise.

Sofro de Diarreia Ininterrupta: É a crise.

Tenho cirrose: É a crise.

O meu hamster já não anda às volta na rodinha: É a crise.

A minha mulher traiu-me: Não é crise…é azar.

Mas o que as pessoas não se capacitam é que esta crise reflecte-se principalmente nos grandes Bancos que foram vítimas de contabilidades criativas e de alguns gestores com ordenados chorudos, também eles bastantes inventivos, no que toca a investimentos.

Pensando bem, o que aconteceu nessas entidades bancárias, não foge muito daquilo que aconteceu nas casas de muitos portugueses, que agora vivem o drama do endividamento. Tudo se resume a contabilidades criativas.

Bem sei que com os ordenados actuais, a poupança é uma ilusão, mas o que é que se espera quando as prioridades das famílias portuguesas estão nos plasmas, nas férias no Algarve, nos telemóveis e outros gadgets?

A crise não é de agora. É resultado de uma série de anos de má gestão dos rendimentos familiares e consumismo desmesurado.

Há dias, lia na revista Sábado sobre o caso de uma família portuguesa, que só em cartões de crédito devia 30 mil euros! Meus amigos… isto não é crise. Isto é sangria desenfreada.

Em 1952, John Steinbeck colocou na boca de um personagem a seguinte frase: “se continuar a vender a pronto nunca serei um homem rico”.

Nunca esteve tão certo.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Yin - Yááááiiing !!!



A concentração e capacidade de abstracção sempre foram factores que me atraíram nas artes marciais, quando praticava em mais novo era algo que gostava por tanto me permitir ficar absorto de tudo quer ir mais além na resistência e na toleração da dor.

Os gurus acerca dos quais lia na altura atingiam níveis incomparáveis, admirando-os por tais feitos e comprovando que a mente era capaz de mostrar o seu poder sobre a matéria, tal como quebrar pilhas infindáveis de tijolos sobre o ventre, deitar-se sobre lanças de samurai, ou por exemplo andar sobre pedras em brasa a beber saqué.

Nessa altura sabia por cá também haverem grandes gurus, mas a um nível mais contido daquilo que lá fora conhecia, por supostamente por lá estar mais enraizado nas culturas orientais. Até hoje.

Ontem na praia tive daquelas matinas salgadas que fazem com que após a limpeza da alma me sentasse somente a absorver o Sol e o astral ondulante, e foi nesse momento que uma travagem brusca me interrompeu o momento zen.

Saiu do carro um sujeito trajado de negro, no que à primeira vista me pareceu ser uma versão night-star/chuck-norris/macho-man. Desfilou na passadeira de madeira e estacou junto à beira do mar. Voltei ao meu momento zen mas por pouco tempo, pois breves instantes depois num pulo saltou para uma posição de combate/meditação.

Comecei então a observá-lo pela curiosidade e relação supracitada, e enquanto ele seguia um ritual de relaxamento e contracção dos membros fui recordando velhos tempos. Até que, num desses movimentos, ele rodou até conseguir ver-me de soslaio, naquela típica expressão de quem procura confirmar se
está a ser o centro das atenções. Pensei “pronto, afinal tá aqui um Bruce Lee, hehe”. Mal sabia eu que afinal teria uma revelação.

Prontamente começou a desferir socos técnicos, e pontapés mais ou menos bem conseguidos, até que aproveitando mais uma volta olhou novamente de soslaio e fez a “tal” cara. Dá dois passos rápidos, salta num pontapé rotativo, e termina a rotação no ar aterrando com os dois pés certinhos… nos picos dos arbustos que a maré cheia tinha deixado alinhadinhos à beira.

Um agudo “AAAAiii!!!” soou, mas num acto de concentração fantástico olhou rapidamente para mim com uma cara crispada de força (ainda pensei ser de dor), e sentou-se de uma forma meio composta e a exibir controlo, e foi aí que eu aprendi que também por cá a mente é mais forte que a matéria. Não imagino a dor controlada que devia por ali ir no tempo que levou até se sentar como se nada se passasse.

A mim, como humilde observador de tal demonstração, só me restou imediatamente levantar-me e desviando a cara acelerar o passo em direcção ao carro em estado de gargalhada interiormente desmedida.

Agora já posso afirmar que há ninjas em Portugal, ah pois é. E eu sei porque já vi um na Caparica.


PS: A sequência dos karatecas nos Açores não conta, porque além do barrote estar serrado, consta que antes deste quebrar se partiram 5 vértebras do mestre que levou com o barrote nas 4 primeiras tentativas do pupilo.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Lições

O êxodo rural é o termo que designa o abandono do campo pelos seus habitantes, que, em busca de melhores condições de vida, se transferem das regiões consideradas de menos condições de sustentabilidade para outras, podendo ocorrer de áreas rurais para centros urbanos e no caso particular deste meu amigo a migração deu-se da Quinta da Fonte da Prata para o Bairro de São Bento.

Desde sempre residente na periferia de um centro urbano (a Moita), este meu amigo, que iremos chamar de Sízar, cedo se confrontou com as dificuldades da vivência nos arredores.

A inexistência de uma Farmácia na sua área de residência, fez com que passasse os Invernos com ranho no nariz. Pela escassez de meios de transportes que o levassem para o centro urbano, as simples constipações invariavelmente transformavam-se em gripes. Todavia e mesmo que houvesse uma farmácia, visto que na sua área de residência não existir uma Caixa Multibanco, o ranho subsistia.

Sízar cresceu obcecado pela vida nos grandes centros. Era habitual vê-lo a atravessar um caminho normalmente utilizado pelos rebanhos de cabras para ir para se misturar com o que ele ambicionava ser: um Moitense.

A sua ascensão na pirâmide social é notável. Alguns anos depois abriu um estabelecimento nocturno na Moita que só teve o devido reconhecimento depois de um admirável habitante do centro urbano, (a que chamaremos Arístides) acordar em disponibilizar os seus préstimos para que o bar se desenvolvesse.

A sua ambição não parou de crescer, o que lhe fez com que a escalada social continuasse a progredir. Muda-se para São Bento, no centro de Lisboa, frequenta os sítios mais in, e quando lhe perguntam de onde é, nunca esquece as suas raízes…Responde sempre altivamente:

- Sou de São Bento!

Esta é uma lição para os miúdos…

Bom Apetite

Risoto de Galinha d'Angola

Ingredientes

GALINHA:

• 1 litro de água
• 400 ml de vinho branco
• 100 ml de vinagre de vinho branco
• 5 grãos de pimenta-do-reino branca
• 1/2 cebola picada
• 1 cravo
• 1 bouquet garni
• 150 g de cenoura em pedaços
• 100 g de aipo em pedaços
• 3 dentes de alho
• 80 g de cebola roxa picada (échalote)
• Sal a gosto

RISOTO:

• 500 g de arroz arbório ou carnaroli (italianos)
• Sal e pimenta-do-reino (moída na hora) a gosto
• 1 galinha-d'angola pequena, cozida e desfiada
• 1 cebola média cortada em tiras finas
• 120 ml de vinho branco seco
• Ervas frescas a gosto
• 2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
• 1 cenoura média, cortada em cubinhos
• 100 ml de creme de leite
• Queijo parmesão ralado a gosto (opcional)

Prepare assim:

GALINHA:

• Junte todos os ingredientes e leve à fervura, junto com a galinha;
• Corte a ave em quatro, separando as coxas com sobrecoxas dos peitos;
• Cozinhe no courtbouillon (quantidade suficiente para cobrir a carne) até a carne se separar dos ossos (cerca de 1 hora e trinta minutos);
• Escorra a galinha, desfie, coe o caldo e reserve.

RISOTO:

• Refogue a cebola na manteiga até murchar. Coloque a cenoura, o arroz e um pouquinho de sal e pimenta. Mexa bem e adicione o vinho branco;
• Continue mexendo, até que o vinho evapore totalmente;
• Coloque a galinha, e vá adicionando o caldo reservado, durante todo o cozimento;
• Quando o grão estiver "al dente" e a mistura ainda úmida, acrescente as ervas picadas (alecrim, tomilho, salsa) e o creme de leite, mexendo por cerca de 2 minutos;
• Desligue o fogo, coloque um pouco de manteiga e parmesão ralado;
• Sirva imediatamente.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Mr. e Mrs. Smith

A adopção de uma criança é provavelmente um dos gestos mais altruistas que um ser humano pode ter em relação a outro. Congrega a possibilidade de oferecer uma vida melhor a uma criança (ou adulto, mas já lá iremos…) e proporcionar, a casais que por motivos biológicos não têm a possibilidade ter filhos, de desfrutar da beleza da paternidade/maternidade.

Todavia, em Portugal, o processo de adopção é quase tão extenuante como subir ao Evereste, a não ser que tenham sido protagonistas do filme “Mr. e Mrs. Smith” ou sejam a intérprete do “Like a Virgin”.

Um dos problemas tem que ver com um conceito omnipresente na nossa sociedade, que serve apenas para acentuar a lentidão de um processo já de si…lento: A Burocracia. Posto isto, a ideia de projectar o futuro é utópica. Primeiro as reuniões na Segurança Social, depois as reuniões na casa dos adoptantes, no sentido de verificar se reúnem as condições de vida necessárias para o adoptado e depois a passagem para a Lista de Espera.

Ai a Lista de Espera…

Mas, este moroso processo, pode traduzir-se numa panóplia de vantagens, que passarei a enumerar:

Na altura em que a criança chegar, já não fará Birras;

Na altura em que a criança chegar, já não chorará de noite impedindo os pais de dormir;

Na altura em que o adoptado chegar, os pais já não terão de mudar fraldas malcheirosas;

Na altura em que o adoptado chegar, já será adulto;

Na altura em que o adoptado chegar, já não se gastará dinheiro em livros escolares;

Na altura em que o adoptado chegar, vai logo trabalhar para ajudar os pais a fazerem face à sempre em voga Crise;

Para adoptar não basta apenas amor e (boa-) vontade, há que saber esperar…e muito.



Para a Bubu...

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Estrangeirismos

Diariamente utilizamos palavras, às quais damos o nome de estrangeirismos, sem sequer pensar na origem das mesmas. São palavras que fazem parte do nosso vocabulário e nos facilitam a comunicação. Por norma, estas palavras não têm o equivalente morfológico na Língua Portuguesa e algumas delas são palavras que são criadas na sequência de alguma descoberta/invenção ou investigação (etc.) de alguém e que acaba por, posteriormente, personificar o feito.

Mas a questão que coloco, é de que maneira afectaria a nossa comunicação se estas descoberta/invenção ou investigação (etc.), fossem feitas por portugueses?

Consideremos os exemplos no campo da Física:
  • O Watt é unidade para a potência e recebeu o nome de James Watt.

  • O Ampere é uma unidade de medida usada para medir a intensidade de uma corrente eléctrica cujo nome foi uma homenagem André-Marie Ampere.

  • O Hertz é a unidade frequência, a qual é expressa em termos de oscilações. A unidade é nomeada em homenagem ao físico alemão Heinrich Rudolf Hertz.

  • Volt é a unidade de tensão eléctrica, a qual denomina o potencial de transmissão de energia, por carga eléctrica. Foi baptizada em honra ao físico italiano Alessandro Volta.

    Agora, imaginemos que todas estas investigações tivessem sido feitas por Portugueses Iluminados e reparem na forma como falaríamos.
Em vez de Watt – Oliveira: “Eh pá quitei o meu Fiat Punto com um subwoofer de 1100 Oliveiras de potência.”

Em vez de Ampere - Silva: “Ouve lá não estás interessado em comprar uma máquina de soldar baratinha? Tem 160 Silvas…”

Em vez de Hertz – Custódio: “Cada microondas possui um magnetrão, um tubo em que os electrões são afectados pelo campo eléctrico magnético de maneira a produzir uma radiação com um micro comprimento de ondas, cerca 2450 Mega Custódios.”

Em vez de Volt – Eustáquio – “Perigo! Linhas de Alta Eustaquiagem.”

Curioso, não?

domingo, 12 de outubro de 2008

Às compras no Chiado.

“Sou lindo como Brad Pitt, tenho o charme do Pierce Brosnan e a minha melhor característica é ser possuidor da eloquência do Professor Marcelo Rebelo de Sousa.”

Não, não estou a falar de mim, mas de um espécime com que cruzei, numa loja no Chiado.

O episódio teve lugar na passada sexta-feira. Enquanto escolhia umas peças de roupa, cruzo-me com um tipo que, sozinho, também ele procurava adquirir uns trapos. É importante fazer a descrição do cavalheiro para que o possam visualizar.

O indivíduo trajava umas calças de pinças, cujo último exemplar terá sido manufacturado por alturas da Guerra Fria e que se encontravam sensivelmente abaixo das axilas; uns sapatos tão pontiagudos e reluzentes que consegui ver os meus pontos negros à distancia de 2,5 m (e o meu tom de pele não é propriamente claro) e uma t-shirt de alças pretas, com os vestígios de um desodorizante mais descuidado.

Nisto, toca o seu telemóvel. Ele pára subitamente, olha para o telemóvel e solta para quem quisesse ouvir: “Dass! O Grelo não me larga!”

Olhei, incrédulo, para o senhor e ele sorriu com cara de:

“Sou lindo como Brad Pitt, tenho o charme do Pierce Brosnan e a minha melhor característica é ser possuidor da eloquência do Professor Marcelo Rebelo de Sousa.”

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

No poupar é que está o ganho.

O Banco Best lançou esta terça-feira, o depósito “McCain/Obama”, com prazo indexado às eleições dos Estados Unidos da América que permite ao cliente, de acordo com a sua previsão, aplicar o seu dinheiro no depósito McCain ou no depósito Obama.

A rentabilidade deste produto é variável de acordo com o resultado das eleições presidenciais norte-americanas. O candidato vencedor garante 8% e o candidato vencido 2%.

Consideremos este cenário à realidade do Zimbabwe ou da Venezuela. Se uma instituição financeira desses países optasse por colocar no mercado tal produto, seria aquilo a que os americanos diziam (Sim! Porque da maneira como os Bancos andam a fechar lá para as bandas do Tio Sam, já não dizem…diziam): That’s money in the Bank!

Com processos eleitorais completamente democráticos e magnânimos, as possibilidades de obter um rendimento extra na subscrição de um depósito a prazo seriam quase certas, até porque investir em activos mobiliários é mais perigoso que passear em Pamplona vestido de vermelho, em dia de encierro.

Por isso, como o Sr. Mugabe e o Sr. Chavez são leitores assíduos deste espaço, aconselho-os a ponderarem uma reunião com os Banqueiros dos seus países no sentido implementarem estratégias de poupança junto dos seus eleitores.

O montante mínimo de subscrição seriam 10 berlindes, um pião, um pau e dois elásticos porque a inflação… está pela hora da morte.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Small Time Crooks

Tendo em conta o actual clima de (in) segurança que abrange o nosso país (que actualmente até incita à abertura de negócios no ramo da ourivesaria e gasolineiras) o nosso sistema penal não podia estar mais actualizado e preocupado com o bem-estar de alguns indivíduos que pretendem melhorar a sua condição financeira à custa…de terceiros.

Como prova disso, uma procuradora do Ministério Público de Sintra ordenou que fossem libertados com a medida de coacção mais leve, isto é, termo de identidade e residência, três cadastrados de um gang considerado perigoso foram detidos na segunda-feira por posse de um arsenal de armas proibidas, por suspeitas de carjacking e de um assalto a uma ourivesaria.

Pois bem, de acordo com o artigo 42º do Código Penal a execução da pena prisão visa defender a sociedade destes ambiciosos e impedir que o suspeito continue a perpetrar ilegalidades.

Mas neste caso não! O suspeito é um tipo cumpridor dos seus deveres cívicos, Coleccionador e connaisseur de armas, amante de jóias e de carros que alta cilindrada, logo, a medida de coação é a mais apropriada, pois ele não representa qualquer perigo para a sociedade.

Sou apologista desta medida, pois os verdadeiros Bandidos são aqueles que roubam queijo ralado num mini-mercado de provincia, que roubam os rebuçados nos estabelecimentos comerciais que os disponibilizam gratuitamente, os Gatunos, que levam para casa sem autorização os lápis e a respectiva fita métrica do Ikea.

Esses pelintras deviam ir todos presos!

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Diário de Maria em Alta Definição

“A revolução não será televisionada" disse Gil Scott-Heron, eu Alcides Estrela digo, “A estupidificação será televisionada…e em horário nobre.” Refiro-me, obviamente, ao programa Toda a Verdade.

Se pensávamos que o lixo televisivo tinha atingido o seu ponto mais elevado com os programas de voyeurismo em massa como os Big Brothers, nas suas mais variadas versões, eis que chega um programa que pretende elevar ainda mais os níveis de imbecilidade que a Televisão pode proporcionar.

As estações televisivas vivem de audiências e nada como ouvirmos ilustres desconhecidos, a troco dinheiro, confessarem a ausência de princípios, valores e referências. É triste ver pessoas confessarem coisas absolutamente absurdas a troco de dinheiro. Estarão assim tão desesperadas? Será um objectivo pessoal aparecer na Televisão e ter os famosos 15 minutos de fama (ainda que através de confissões de violência doméstica, entre outras coisas)?

Houve um programa que teve 1.2 Milhões de telespectadores! O tal do homem de Gondomar que aldrabava os clientes do seu estabelecimento comercial, com uma balança duvidosa.

É o ópio do povo. O nosso Diário de Maria em Alta Definição.

Acho que chegámos a um ponto em qualquer dia teremos um programa, também em horário nobre, onde se aprende a roubar, a matar, a enganar as autoridades, a fugir ao fisco, a ser corrupto, a abusar sexualmente menores…

Chego à conclusão que esse programa já existe…Chama-se Telejornal.

domingo, 5 de outubro de 2008

37 Dias Depois

Passam precisamente 37 dias desde que não publico qualquer texto neste blogue. Este período sabático deveu à mudança de residência que fiz de Campo de Ourique para a Graça. No fundo tratou-se de um regresso a casa…

O processo de mudança de residência é indissociável de uma deslocação a uma grande superfície, de seu nome Ikea. Da última vez que lá tinha estado (também num processo de mudança de residência) demorei perto de seis horas. Agora, bem ao estilo de Usain Bolt estabeleci um recorde mundial. Trata-se do Record- do- Mundo -de –Ida- às- Compras –ao- Ikea-com-a-Namorada ou Esposa. Fiz o tempo de 1h15min. E este magnífico tempo contempla também o jantar nas instalações. O segredo chama-se catálogo.

Também indissociável de uma ida ao Ikea é a consequente montagem dos móveis. Confesso que não sou um tipo com jeito para a bricolage. Cheguei a esta conclusão pouco tempo depois de ter completado dois anos de idade, quando me ofereciam legos para montar e também por me sobrarem peças na montagem de móveis do Ikea.

Durante este tempo que não escrevi, muito se passou…Houve um casal de namorados que alterou o seu estado civil de solteiro para casado (que forma mais estranha de não dizer casamento) e que contra tudo e todos celebraram a Lua-de-mel num país à beira de uma Guerra Civil.

Durante este tempo em que não escrevi houve mais uma Festa da Moita, com os habituais estados de ebriedade, a Tarde do Fogareiro, com Engenheiros Aeroespaciais a figurarem na lista dos mais ébrios.

Descobri também que apenas na Festa da Moita surgem alter-egos: Telma que vira Tatiana, Diogo vira Diamantino, Tiago que vira Ti Toino, David (não o Pai do Miúdo Ruivo) que vira Raimundo e o principal astro desta arte de “Transformismo”: a sempre espectacular Marlene, que desta teve uma aparição mais comedida, ainda assim espectacular.

A Moita esteve ao Rubro.

Durante este tempo que não escrevi, nasceu a Madalena. Uma delícia. Uma menina que já desperta as atenções dos homens mais velhos da cidade do Montijo, que não dispensam um passeio pelo Shopping, com o intuito de observarem atentamente a amamentação de um bebé, na esperança de reactivarem a actividade de zonas do corpo inertes há décadas.

Durante este tempo que não escrevi, descobri que o meu amigo que sofre de estrabismo tem tendência para entradas em estabelecimentos nocturnos de qualidade duvidosa. Descobri também que ter unhas de gel pode ser nocivo ao nosso desenvolvimento cerebral e levar-nos à dislexia.

Durante este tempo que não escrevi descobri que há mais gente a ver o Preço Certo do que pensava.

Muito se passou, mas agora escreverei mais amiúde.

Até amanhã.

domingo, 31 de agosto de 2008

Dejá Vu

Há coisas fantásticas neste universo… pois há.

Foi já aqui no Coisas relatada uma experiência de assalto simulada há uns tempos, em que a interveniente/assaltada reagiu proferindo seguidamente uns “Ai car”$”$, ai car#%#%, ai car#$&#$&!!!”, que de nada lhe serviriam caso se tratasse de um assalto real
.

Confesso que na altura fiquei com pena por não ter presenciado aquele momento, mas eis que este ano fui brindado por um Dejá Vu daquilo que anteriormente tive somente oportunidade de imaginar, e de desta vez a reacção ter tido resposta a condizer:

Seguia a miss Verborreia conduzindo o seu bólide comigo ao lado e com o team da mãe do miúdo Ruivo e a bicha do Alcides nos bancos de trás, em amena cavaqueira de lixinho após jantarada no planeta das pizzas mágicas, quando surge uma luz de policia à frente que aparentava tratar-se de uma operação stop.

De imediato a miss trocou de expressão, abrandou repentinamente o ritmo, e segurando fortemente no volante começou a soltar alto “Tou fod”#$”$, tou fod#%#%, tou fod$&$&!!!”.

Engraçado, porque do lugar onde eu estava vi que estava um agente da autoridade com um pirilampo que parecia indiciar não estar a mandar parar-nos.

A miss sempre proferindo os “Tou fod”$”$, tou fod””$, que se vinha a queixar de que à noite não via um palmo à frente do nariz, detecta o agente segundos antes de o levar à frente, e mal se cala e passa ao lado do agente a imagem imediatamente a seguir que passei a ter na janela dela foi de um agente que gritava ao mesmo ritmo “Continue, continue, CONTINUEEEE!!!”. Gargalhada geral a bordo do carro, e tatuada a expressão na memória de todos nos restantes dias.

Hmmm… Dejá Vu com attachment, muito bom.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Arre Poça!

Os estúdios Warner Bros., que produzem a série de filmes Harry Potter, accionaram com um processo judicial contra a Produtora indiana Mirchi Movies. O motivo do processo prende-se com o facto do título do filme indiano ser demasiado parecido com Harry Potter. O título em causa é Hari Puttar e conta a história de um rapaz de dez anos chamado Hari que salva o chip secreto do computador do seu pai de alguns criminosos...

Tendo em conta que as produtoras americanas são muito picuinhas com os seus filmezinhos, é normal que a estreia do filme Karaté Querido (cujos direitos pertencem ao Sr. Engenheiro e ao Sr. Serguei) esteja a ser constantemente adiada, pois o título é bastante parecido com uma película dos anos 80. Ao contrário desse filme dos anos 80, não se trata de um filme de acção. Karaté Querido é um romance entre um aspirante a Cinturão Negro e o seu Mestre. Mas a seu tempo, publicaremos em primeira-mão o argumento desta master-piece, num blog perto de si.

A julgar pelo processo judicial imposto à produtora indiana, talvez não seja boa ideia lançar para o mercado uma marca de roupa e acessórios de um amigo meu chamado Luís Vuitão ou então dos outros dois amigos dele o Doce & Banana, ou ainda incentivar um primo meu a editar um álbum sob o pseudónimo Frederico Mercúrio.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Aprendizagem Veraneante

Férias. Acontecimentos marcantes. Aprendizagem. Soa-vos familiar? Pois, para mim a partir de agora passou a fazer todo o sentido. J

Com jogo de cintura e “encaixando” dias de férias, consegui estar presente em momentos cruciais do team-lixinho-na-tola e viver parcialmente o que em linguagem subliminar (sempre) se transmitiu pelos lados do Rogil e pelas zonas mais a Sul.

É muitas vezes necessária uma dose de “tradução automática” do que se passa nestas alturas e ser dotado de um certo poder de encaixe, mas acaba-se sempre por adquirir conhecimento. Isto para dizer que concluí ter aprendido muito nestas férias:

  • Aprendi que para alguns totós armados em surfistas (não me refiro a quem aprende, refiro-me à espécie que tem a ideia de ser Pro e simplesmente não conseguir apanhar a ideia fun da coisa), além de não distinguir uma onda que vai para a esquerda ou para a direita, considera-se que a possibilidade insólita de perder a prancha (dado ser Pro) é um… inóspito (???);
  • Aprendi que há pessoas que conseguem estar em concertos e dizer mal de todas as bandas enquanto fustigam com açoites um verdadeiro amante do som com o lenço que se leva ao pescoço. Claro que só a Miss Verborreia poderia cometer tal acto;
  • Aprendi que não é preciso ir à Califórnia para ficar atordoado com as babes de praia, em Odeceixe há dias em que nem se fica atordoado e se desmaia logo à partida;
  • Aprendi que o 0 (zero) é o nº mais “suzinho”. Pois, go figure. J
  • Aprendi que apanhar ondas de peito com malta em sintonia, termina em estômago cheio de água salgada e eructação a condizer;
  • Aprendi com o criador do Coisas que é possível fazer surf com uma tábua de engomar às bolinhas e usar o fio eléctrico do aquecedor a óleo a servir de chop. Consta que num certo dia no Amado a água esteve mais quente… desconfio que tenha sido resultado dele ter encontrado alguma forma de ligar a ficha em algum lado das alforrecas;
  • Aprendi que há bolsos de moedas de jeans em que é tão difícil tirá-las, que segundo alguns rumores há malta que tem vários pares com cerca de 80€ dentro de cada uma;
  • Aprendi que no Verão, por motivos que desconheço, se dá a aparição do Panóias pelas praias do Sul;
  • Aprendi que o espírito colectivo gera força, que o diga o mano Alcides que por várias vezes teve de provar a si mesmo que a mente era mais forte que as leis da física (força);
  • Aprendi que a igreja católica ainda exerce peso na consciência, pelo menos nas alturas em que se hesita em fugir sem pagar de Pensões;
  • Aprendi que se deve sempre pôr mais um bocadinho de Redbull no Vodka, porque queima a goela das amigas, e fica intragável no primeiro gole, se bem que no segundo parece logo muito melhor.
  • Aprendi que atirar bolas com a mão esquerda (os destros) faz todos os gajos ficarem com uma pinta estranhamente gay/deficiente;
  • Aprendi que quando se dá o acontecimento de haverem empadas mágicas no Rogil se devem comprar logo todas, para não passar o resto dos dias a fazer figura de “carocho” em busca delas;
  • Aprendi que com este team é possível transformar uma simples ida à praia numa exibição de ginástica gimnodesportiva, diga de figurar nas apresentações de Beijing;
  • Aprendi que por vezes não pagar um parque de estacionamento suscita uma alegria desmesurada e contagiante;

É por tudo isto que eu digo, aprende-se sempre muito nestas férias maradas.

Todos os anos é a mesma magia, com variações (no verdadeiro sentido da palavra) que acabam todos os anos por ter uma sensação de já ter passado por aquilo e querer sempre voltar a repetir aqueles momentos de sintonia.

Acho que tudo o que se passou, todo aquele feeling único do espírito vivido por todos, se resume de uma forma que o criador do Coisas designa “daquela” forma, que só ele sabe: “Eu gosto”. E muito.

Até para o ano!!!

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

(Foi) Um Bom Dia!

Poderia dizer que a elaboração do Plano de Actividades para a Despedida de Solteiro do Sr. Engenheiro e sua querida Noiva, foi algo tão bem preparado que só comparado com a Cerimónia de Abertura dos Jogos Olimpicos de Pequim, poderia dizer que a Descida do Rio Zêzere foi fantástica, poderia dizer que o almoço em Constância foi óptimo (excepção feita ao shot de Mil Nove e Vinte no final do repasto... ainda estou a sentir aquilo a queimar-me as entranhas), poderia dizer que o final de tarde no Cais foi excelente, poderia dizer que o jantar foi magnifico com conversas de deitar fora e outras para mais tarde recordar, poderia dizer que o momento em que o Sr. Engenheiro tira a máscara à sua Cat foi digno de uma película realizada por Clint Estwood, poderia dizer-vos tudo isso e muito mais…

Porém, opto por dizer que se as pessoas fazem os momentos e este sábado não foi excepção. Um dia memorável.

Felicidades ao Noivos!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

WC Ocupado

A vitória do Nelson Évora leva-me a falar de Atletismo. Se bem que tendo em conta o adiantar da hora (são neste preciso momento 23:23), o meu corpo já pede caminha e as minhas perninhas já deviam estar esticadinhas a descansar. Não obstante faço o esforço.

Mas afinal o que é a Marcha? Não consigo entender este desporto.

Não é andar e também não é correr. Se este desporto fosse uma ser humano, era definitivamente Hermafrodita. Mas um hermafrodita com dúvidas existenciais sérias, relativamente à questão de optar pela sexualidade masculina ou pela feminina.

Não consigo entender a ideia do (a) tipo(a) que inventou este desporto. Percebo a ideia da corrida, percebo até a ideia do lançamento do martelo (já que não o sabes usar atira-o para bem longe, senão magoas alguém). Mas a Marcha?

Será que o inventor da Marcha pensou: “Bora lá ver quem é que chegar primeiro à casa-de-banho, com o cú apertado, sem dar nas vistas? E não vale correr, nem tirar os pés do chão!” Muito provavelmente, assim nasceu este desporto. Um desporto criado a partir de um desarranjo intestinal, cujo principal objectivo era ver quem chegava primeiro à latrina sem grande aparato.

Em Portugal temos alguma tradição na Marcha. Mas nestes Jogos Olímpicos não fomos para além de um oitavo lugar. O que me leva a concluir que com um cozido à portuguesa, um ensopado de enguias, seguido de um pratinho de feijoada, trazíamos Ouro, Prata e Bronze.

Mas… e se estivesse ocupado?

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

'Tááárde...As Bóóólas...Vuuulva

De regresso à realidade laboral, após 15 dias de remanso deliberado levei algum tempo até conseguir habituar-me à ideia que lamentavelmente tenho que trabalhar para poder ter férias. As férias foram repletas de gargalhadas (muitas mesmo), pão, óptimos jantares e no meu caso particular, alguns acidentes (fui escalpado pela janela de uma Roulote, deixei metade do dedo grande do pé direito num passeio de Aljezur, enquanto procurava massa folhada, levei com a Maria Vinagre no sobrolho), ainda assim sobrevivi.

1
Estas férias ficaram também marcadas pela eloquência do Míudo Ruivo e pela capacidade absolutamente fantástica da criança absorver conceitos desprovidos de sentido e conteúdo inteligível, reflexo da audição das conversas dos adultos que o rodeavam. Para terem uma ideia, o Miúdo Ruivo não dizia “Bom Dia”, como as crianças normais. A sua saudação matinal era: ’Tááárde…As Bóóólasss…Vuuulva!
2 O início das férias teve lugar no Parque de Campismo do Sitava com a família mais (des)Funcional que conheço e por quem tenho um apreço interminável. Na ressaca do incidente na Quinta da Fonte, as semelhanças com uma família de ciganos nómadas eram por demais evidentes com esta família em cada viagem até à praia dos Aivados, tal era o aparato e a quantidade de acessórios de praia que carregavam. Entre os acessórios, podíamos encontrar uma prancha de surf, concebida talvez por Fernão Magalhães mesmo antes de ter chegado ao Rio de Janeiro, durante o sec. XVI. Mas flutuava…
3
Os dias que seguiram foram passados na Costa Vicentina, no Rogil. Com excepção do sistema de atendimento da Padaria do Rogil, que prevê que apenas um funcionário tenha acesso à caixa registadora e que os restantes, melhor dizendo, o restante funcionário dê conta dos pedidos dos clientes, gerando invariavelmente uma fila até à porta, a existência no Rogil foi pacífica.

Com o senhor Engenheiro e a sua noiva, as coisas correram como previstas, de forma perfeita. Aliás todos os dias, antes de nos deitar certificávamo-nos que tudo tinha corrido na perfeição, através de uma tabela feita em Excel onde marcávamos as coisas que tinham corrido de forma perfeita (a verde) e as coisas que tinham corrido bem (a azul). Foi também no Rogil, que descobrimos que a noiva do Sr. Engenheiro tem dotes que a podiam garantir um lugar num daqueles circos que denominavam de Freak Show, pois faz coisas sem paralelo com os dedos dos pés.

4

Mas como o tempo passa depressa, não nos resta nada mais que relembrar com muita saudade as férias do verão de 2008.

Breve Legenda:

Imagem 1 - Pedaço da minha cabeça na Janela da Roulote
Imagem 2 - Miudo Ruiva saúda os presentes com a fomosa frase: ’Tááárde…As Bóóólasss…Vuuulva!
Imagem 3 - " A Familia"
Imagem 4 - Hang Loose (Foot Version)

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Aniversário

A coerência é talvez das características que mais aprecio nas pessoas. Se uma pessoa me disser que é do Sporting, assumo de imediato que é coerente. Conheço-o há algum tempo, mas só nos últimos anos é que tive a oportunidade de o conhecer verdadeiramente.

É provavelmente a pessoa mais coerente que conheço. Sempre que falo nele, foco a coerência do seu carácter e também a sua atenção em não formar juízos de valor. Nunca julga algo ou alguém pela aparência.

Estas linhas são-lhe dedicadas.

Fazes anos hoje e quero que as pessoas saibam que gosto mesmo de ti e que és um tipo íntegro, inteligente, sensato, lúcido e também parvo, de outra forma, não seria teu amigo. A parvoíce é também uma característica que prezo muito. E tens a suficiente...

“Sempre que vejo aquele Montechoro!?” (private joke)

É o pai do Miúdo Ruivo! É o Maior! É um Grande Amigo!
Parabéns!

quinta-feira, 17 de julho de 2008

O Segredo

O segredo está na Moda. Eu não tenho um, mas dois segredos.

Nunca vos aconteceu gostarem muito de uma música e posteriormente decobrirem que é cantada por algum intérprete cuja carreira se tem pautado por temas mais popularuchos e letras de criatividade duvidosa, e ainda assim continuarem a ouvi-la? Espero que sim…ou este texto revelar-se-á num exercício de auto-mutilação e serei alvo de chacota.

Poderemos considerar estas linhas como uma confissão. Assim, vou confessar-vos dois segredos, com os quais já não consigo viver. Espero ter a compreensão e a tolerância daqueles que perdem tempo precioso das suas vidas a ler as patacoadas que aqui são publicadas.

Sem mais delongas, confesso-me: sou um Grande Apreciador do programa “O Preço Certo” inigualavelmente apresentado pelo volumoso Fernando Mendes e aprecio de igual modo os programas de entretenimento WWE (World Wrestling Entertainement).

É verdade! Sempre que os meus horários me permitem assisto divertido ao programa d’O Gordo, como é chamado de forma simpática pelos concorrentes. Dotado de um sentido de humor só ao nível do Badaró é, por vezes, a minha fonte de inspiração para algumas piadas que lanço junto dos mais próximos e que curiosamente fazem ricochete, não obtendo qualquer tipo de feedback positivo dos apontamentos humorísticos por mim protagonizados. Claramente não atingem a profundidade do humor…

Temos depois o WWE, que assisto como uma criança de 10 anos, aliás, este é o tema dominante nas conversas que tenho com o meu sobrinho. Ele prefere o “F-U” do John Cena, já eu prefiro o “Tombstone Piledriver” do Undertaker…reparo também que nenhum dos meus amigos me dá feedback neste assunto. Dizem que aquilo é tudo encenado.

Tendo confessado estes dois segredos, sinto-me mais leve. Todavia, espero não ter desiludido qualquer alma que pensava que eu poderia ser uma pessoa normal…Não sou!

Agora vou-me despachar porque o programa está a começar.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

domingo, 13 de julho de 2008

Escravidão

Muito se tem discutido sobre a possível transferência de Cristiano Ronaldo para o Real Madrid. Os números que envolvem o negócio são pornográficos e nem que trabalhasse durante duas eternidades o meu extracto bancário se aproximaria aos dígitos da conta bancária do madeirense.

Toda a gente tem uma opinião sobre o assunto e eu não fujo à regra. Na grande maioria das opiniões defende-se o prodígio português e discute-se muito a relutância do clube inglês deixa-lo sair para cumprir um sonho, o de jogar na Liga Espanhola.

Nos últimos dias, o presidente da UEFA utilizou a expressão “escravos dos tempos modernos”. Nunca esteve tão longe da verdade!

O conceito de escravidão está exactamente nos antípodas do que este senhor afirma. Durante anos os escravos estiveram sujeitos a condições de vida sub-humanas, passavam fome, trabalhavam 25 horas por dia e tudo isto imposto pela diplomacia da força bruta. Não são propriamente condições de trabalho aliciantes, sem falar no facto de não receberem qualquer remuneração e não terem direito a um sindicato.

Quando oiço alguém considerar que os jogadores de futebol são os escravos dos tempos modernos, entendo a metáfora, mas não deixo de pensar que enquanto escravos, estes senhores têm as melhores condições de trabalho possíveis: ordenados chorudos que lhes permitem ter casas de luxo, carros de luxos, acesso a médicos de luxo, tem a oportunidade de viajar (sem terem de esperar longas horas no check in) e conhecer o mundo, etc.

Bom, pesados os prós e os contras da afirmação de Blatter considerar que estas condições de trabalho são de escravo é o mesmo que dizer que o fim do mundo acontecerá com uma chuva de bolas de algodão embebidas em acetona…ou seja algo completamente absurdo .

terça-feira, 8 de julho de 2008

Da Mediocridade à Excelência

Eis que passamos da mediocridade à excelência. As expectativas são elevadas e o facto de podermos pertencer ao núcleo duro dos países que têm maior preponderância na Europa nunca esteve tão perto.

As notícias são animadoras: a taxa de reprovação no exame de Matemática A do 12º deste ano baixou para 7 por cento, contra os 18 por cento do ano passado, numa prova em que a média de notas foi de 12,5 valores.
Finalmente e ao fim de perto de vinte anos a expressão Geração Rasca tornou-se obsoleta. Actualmente, os nossos jovens fazem-nos encarar o futuro de uma forma extremamente alegre e optimista.

Nunca os resultados dos exames da disciplina de Matemática foram tão elevados. Agora sim, estamos no bom caminho. O Ministério da Educação está a fazer um trabalho absolutamente notável e reitera que pelo terceiro ano consecutivo os resultados a Matemática são cada vez melhores.

AAALLLTTTOO!

Ocorreu-me agora que isto pode ser uma estratégia orquestrada pelo do actual Governo para garantir votos em futuras eleições. Será?

Ocorreu-me também que pode ter sido um plano meticulosamente pensado, no sentido dos alunos terem excelentes notas, pois os níveis de exigência dos exames desceram drasticamente. Será?

Será que posso estar certo?

Espero estar certo, porque se estiver errado, o futuro será agridoce: País de Doutores…Cérebros de Esquilos.