quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Mr. e Mrs. Smith

A adopção de uma criança é provavelmente um dos gestos mais altruistas que um ser humano pode ter em relação a outro. Congrega a possibilidade de oferecer uma vida melhor a uma criança (ou adulto, mas já lá iremos…) e proporcionar, a casais que por motivos biológicos não têm a possibilidade ter filhos, de desfrutar da beleza da paternidade/maternidade.

Todavia, em Portugal, o processo de adopção é quase tão extenuante como subir ao Evereste, a não ser que tenham sido protagonistas do filme “Mr. e Mrs. Smith” ou sejam a intérprete do “Like a Virgin”.

Um dos problemas tem que ver com um conceito omnipresente na nossa sociedade, que serve apenas para acentuar a lentidão de um processo já de si…lento: A Burocracia. Posto isto, a ideia de projectar o futuro é utópica. Primeiro as reuniões na Segurança Social, depois as reuniões na casa dos adoptantes, no sentido de verificar se reúnem as condições de vida necessárias para o adoptado e depois a passagem para a Lista de Espera.

Ai a Lista de Espera…

Mas, este moroso processo, pode traduzir-se numa panóplia de vantagens, que passarei a enumerar:

Na altura em que a criança chegar, já não fará Birras;

Na altura em que a criança chegar, já não chorará de noite impedindo os pais de dormir;

Na altura em que o adoptado chegar, os pais já não terão de mudar fraldas malcheirosas;

Na altura em que o adoptado chegar, já será adulto;

Na altura em que o adoptado chegar, já não se gastará dinheiro em livros escolares;

Na altura em que o adoptado chegar, vai logo trabalhar para ajudar os pais a fazerem face à sempre em voga Crise;

Para adoptar não basta apenas amor e (boa-) vontade, há que saber esperar…e muito.



Para a Bubu...

4 comentários:

Anónimo disse...

Grande Alcides, és um bom ser humano. É bom encontrar força nas palavras dos outros.
Um abraço
Bruno (Bubu)

Anónimo disse...

Fantástico! Como de um suposto assunto "sério" consegues enaltecer uma montão de sentido de humor! A Lista de Espera, desespera, mesmo os menos ansiosos. Depois, como disseste, de uma longa temporada de 9 meses em entrevistas com psicologas, assistentes sociais e afins, lá vem o papelinho a notificar os pais adpotantes que foram seleccionados! Foi um dia mto Feliz, mas dps vem a espera! eheheheh

E sabes que mais?? A espera está muito mais relacionada com o facto de nas instituições e entidades de acolhimento não existirem, assim tantas, crianças, como se imagina, em condições de adpotabilidade.
Mas ainda assim, sou nacional :)

Um beijinho grande e OBRIGADA pela teu carinho!!! :))
Bubu

Alcides disse...

Quando menos esperarem já terão, a correr lá por casa, um "guri" terrível:-) Confesso que estou ansioso, pelo Vosso Grande Dia. Força e muita paciência um grande abraço e um beijo.

Avózinha disse...

O Duarte já me tinha falado do teu blog e por cá vou passando porque gosto do conteúdo (e sempre bem ilustrado). Como há sempre uma 1ª vez aqui fica o meu comentário:

Muitas vezes me interrogo se vale a pena ter um blog e despender tempo para escrever o que quer que seja...o teu blog prova que sim. Basta que uma pessoa leia para que o papel interventivo que todos temos na sociedade - e muitas vezes esquecemos - seja cumprido.