quinta-feira, 8 de abril de 2010

Penso, logo sou censurado.


A internet, como diria o bem-falante Jaime Pacheco, é “ um pau de dois legumes”… Se por um lado pode ser um instrumento que se usado de forma desadequada pode ser nocivo à vivência em sociedade, com a exposição de fotos e videos de ex-namoradas em sites de conteúdos para adultos, por outro pode ser um veículo de exposição ou denúncia de práticas menos próprias, contribuindo assim para a construção de um (cada vez mais utópico) Mundo melhor.

Actualmente Internet é sinónimo de Google. A recente polémica sobre a possível retirada do Google do mercado chinês vem comprovar que o poder das palavras na world wide web pode abrir graves fissuras num país que tende a controlar as mentalidades e a restringir o alargamento dos horizontes.

Na China o acesso ao Youtube e ao Blogger estão proibidos, as contas de correio electrónico do Gmail são constantemente pirateadas, as pesquisas no Google são frequentemente censuradas…O governo inclusivamente criou, leia-se treinou, um grupo de comentadores cuja principal tarefa é manipular as opiniões online.

É inconcebível que a noção de liberdade de expressão não seja um dado adquirido e que as pessoas não possam dizer que o Cláudio Ramos deveria ser expatriado... com destino a Vénus!

Estancar os pensamentos das pessoas é talvez um dos grandes flagelos desta nova era em que vivemos…a Manuela Moura Guedes talvez concorde comigo.

3 comentários:

Rafaela disse...

Vivi em Itália durante 3 anos e o que me mais chocou era a censura e a falta de liberdade de imprensa, dapesar de "aquilo" supostamente ser um dos berços da democracia e a sétima maior economia do mundo. Num ranking sobre liberdade de comunicação, a Itália ficou confinada a um vergonhoso 40º lugar, atrás de países como a Namíbia, Chile e a Coreia do Sul.
Contribui em grande parte o facto de o Berlusconi ser proprietário de todos os canais de tv, seja como Primeiro-Ministro, seja como dono das televisões privadas.
Censura? Sim existe, seja nos jornais - que são dele - seja na tv e até mesmo na Internet. Fiquei altamente revoltada quando coloquei no Facebook no ano passado um vídeo com umas fotos comprometedoras do Berlusconi e uns comentários acutilantes...e durante a noite magicamente desapareceu tudo. Todos os meus amigos que tinham colocado o mesmo vídeo também o perderam. Isto sem falar nos telejornais que são ridiculamente azeiteiros e não falam de coisas importantes. Depois, chego a Portugal e vejo o estado em que estamos e não consigo tirar da cabeça: "Estamos a tornar-nos numa outra Itália."

Alcides disse...

Há uns meses li um artigo do El País, que fazia uma critica extremamente assertiva sobre o monopólio dos media por parte de Alberto João Jardim, na Madeira. Dizia até que o Telejornal é mais o Telejardim...Espreitem este link http://amansarda.wordpress.com/2009/05/17/alberto-joao-jardim-o-presidente-eterno-el-pais-courrier-internacional/

Sergei disse...

Quando há uma outra realidade que envolve a que julgamos ser real... percebe-se onde é que está e qual o verdadeiro significado da palavra Poder.

Lembram-se do "A Vila" do Shyamalan? Pois. A questão é que nesta nossa esfera há várias "Vilas", interligadas, com um enredo global de opostos fascinantemente perturbadores...

O problema é que nós já lá estamos.


Stay Sharp ;)