terça-feira, 24 de junho de 2008

Yo no creo en brujas…pero que las hay las hay…

Este fim-de-semana foi soturno, à falta de um adjectivo mais adequado. Ocorreram algumas situações que não consigo explicar sem recorrer a uma argumentação que pressupõe a existência de forças malignas a assombrarem a minha pessoa e consequentemente a existência das pessoas à minha volta.

Começou na sexta-feira, com o esquecimento de um cd de Astrud Gilberto (The Silver Collection que recomendo) gravado especialmente para a Mãe do Míudo Ruivo. Fi-lo minutos antes de sair e certifiquei-me que o tinha na mão, mas quando cheguei à Moita e preparava-me para o entregar, deparo-me com a sua ausência. Dois dias depois constato que ficou em casa, em cima da mesa.

Como íamos passar o fim-de-semana no Algarve, preparei cuidadosamente os equipamentos que iriam fazer com que tivessemos sempre música a tocar. Chegados a Albufeira, constato que o iPod e coluna tinham ficado na Moita.

No sábado de manhã, enquanto nos preparávamos para um duríssimo dia de praia que foi concluído com um final de tarde na piscina com caipiroscas, constato que não sabia do paradeiro dos meus óculos de sol, certo que os teria colocado na mala da minha Bicha.

No domingo à noite resignei-me e assumi a perda dos óculos.

No domingo à tarde, na praia de Santa Eulália, Catarina a Grande, preparava-se para disponibilizar lenços de papel à minha Bicha, quando dá pela falta da sua carteira, convicta que estaria na mochila do Sr. Engenheiro. Depois de muito procurar, resolveu ir ao carro e (felizmente) acabou por encontrar a carteira.

No mesmo dia e após o extenuante dia de praia que culminou com umas chapas na piscina, resolvemos comprar Folares de Olhão. Depois da aquisição da doçaria regional iniciamos a viagem de regresso. Ao chegarmos ao nosso destino, verificámos que só havia um exemplar do Folar de Olhão, quando na realidade foram comprados…dois.

Constatámos que o outro ficou no café Piu Bella, em Albufeira.

Pois bem: ou estes são os primeiros sinais de que tenho um alter-ego alemão, chamado Alzheimer ou então las brujas andem aí.

*. - A recorrente utilização da palavra "Constato" na suas diferentes formas, resulta de um protocolo com o PPPPP: Priorado Português de Pseudo-Escritores Parcos em Palavras.

1 comentário:

catarina disse...

mas o melhor de tudo isto é que nem mesmo as "bruxas" nos impediram de passar um excelente fim de semana!Muita coisa ficou esquecida pelo caminho mas a boa disposição esteve lá :D

Estão aí os vídeos(que só nós achamos piada lol) para confirmar :P

beijo beijo