quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Marta Pablo: És a minha Nigga!

Monhé
DEF
Vesga
Badocha
Mouca
Preta

Sempre me ensinaram que para traduzir é preciso muito mais que saber línguas estrangeiras. Os requisitos, ditos, essenciais pressupõem uma boa dose de cultura geral, uma pitada bom senso e muita inteligência para saber contextualizar a especificidade da palavra traduzida.

Não me pareceria sensato, que num artigo sobre Oftalmologia em que se aborda o estrabismo, se traduzisse Vesgo em vez de Estrábico. Creio que poderia ferir algumas susceptibilidades. Da mesma forma que na autobiografia de Marlee Beth Matlin a referenciassem como: “aquela actriz mouca”. Seria no mínimo indelicado.

Entre o ferir susceptibilidades, a indelicadeza e talvez a falta de bom senso, encontrei a Marta Pablo. Uma jornalista da revista Elle, que traduziu um artigo do Washington Post, escrito por uma jornalista americana, de seu nome Robin Givhan.

Pois bem, o artigo, na sua língua original descrevia Michelle Obama com o adjectivo Black. Ora bem, a tradução desta palavra não foi nada feliz. O termo Black, foi erroneamente traduzido como Preta.

Se para uma jornalista as diferenças entre os termos Black e Nigger, não são evidentes (?), há que fazer o trabalho de investigação. Caso contrário, acaba por resultar no mesmo que que dar o nome de Overbooking a uma agência de viagens… Ou seja um belo tiro no pé.

Cara Marta, não irei dissertar ou explanar sobre as diferenças entre os termos acima referidos, apenas lhe deixo a sugestão de traduzir com um pouco mais atenção.

Mas como me parece uma rapariga simpática, deixo-lhe uma dica: aquelas palavras lá em cima, NÃO devem ser utilizadas, num contexto semelhante. Pode parecer mal…

4 comentários:

Ella エラ disse...

*facepalm*

Nem sei o que diga, tamanho é o choque!

Liliana disse...

Irreal. Mas o que me choca para além do texto e das palavras usadas e da obvia má tradução é sem dúvida permitirem que algo seja publicado. Após se escrever um texto para ser publicado ele tem de ser revisto. Como é possivel acontecerem coisas destas?
Quando digo revisto é por outra pessoa, não pela que escreveu o texto ou o traduziu.

nota - não se diz mouca, diz-se surda!!! oh pá, nunca mais aprendes...lol
beijo

Rafaela disse...

Acreditas que o Kalaf (dos Buraka) mencionou a questão do artigo da ELLE na crónica dele semanal do Público hoje?
Eu viu o meu blog e escreveu sobre isso!
Enfim, está a tomar proporções imensas!

Estrelas, estrelas, estrelas!

P.S.: depois mando-te a crónica dele.

Anónimo disse...

Não acredito.. Essa senhora é jornalista? Meu deus, como é possível deixarem passar essa tradução? Que vergonha.. Marta, volta para a escola!!